Exposição traz obras de Jorge Mori

Em 1945, o Rio Pinheiros era mais ou menos deste jeito, com água limpa, leito tortuoso e sem ocupação nas margens. O artista plástico paulistano Jorge Mori, que o retratou assim, tinha 12 anos quando pintou a tela acima, um trabalho que levou duas horas. “Meu pai me acompanhou o tempo todo”, conta. “Ele segurava um guarda-sol para me fazer sombra enquanto eu pintava.” A pontezinha que aparece no quadro, conhecida como Ponte Velha, ficava próxima da atual Eusébio Matoso, a Ponte Nova, onde Mori estava. A imagem é uma das obras expostas em Círculo de Ligações: Foujita no Brasil, Kaminagai e o Jovem Mori, até 1º de junho no Centro Cultural Banco do Brasil (tel: 3113-3651).

Comentários
Deixe uma resposta

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s