Baiana das Trufas, vendedora Lucidete Jesus faz sucesso com baladeiros

Apesar de nem sempre ser recebida pelos baladeiros com simpatia, a moça chega a vender 300 chocolates por noite

Quem a vê caminhar brejeira, de bata branca e cheia de colares, pode achar que da cestinha de Lucidete Jesus de Sousa, de 26 anos, saem acarajés ou outras delícias soteropolitanas. Isso até ela ligar seu microfoninho e desandar a cantar versos como “Trufa de chocolate/ Sabor supergostoso/ Recheio muito cremoso/ Casquinha derrete na boca”. Musiquinhas similares, sempre acompanhadas de coreografias, renderam-lhe o apelido de Baiana das Trufas entre os frequentadores de restaurantes e casas noturnas da cidade. Apesar de nem sempre ser recebida pelos baladeiros com simpatia — há quem a considere meio “entrona” —, a moça chega a vender 300 chocolates por noite. Seu circuito inclui de restaurantes da Rua Avanhandava, como o Famiglia Mancini, a bares da Praça Roosevelt e do Baixo Augusta. O expediente começa às 19 horas e termina por volta das 4 da manhã, quando acaba o estoque. Ela mesma prepara os doces, às segundas e terças. “Faço 1 000 unidades em dois dias”, estima. “O preço original de cada uma é 32 000 reais, mas dou desconto e cobro apenas 2 reais ou três bombons por 5 reais”, faz piada.

Nascida em Ubaíra, município de 22 000 habitantes no centro-sul da Bahia, Lucidete mudou-se para São Paulo em 2007. “Sonhava virar comissária de bordo”, conta. Conseguiu emprego como babá, mas não se adaptou. “Cheguei a passar fome”, lembra, sobre o período em que ficou desempregada. “Foi então que vi uma senhora vendendo trufas.” Após conversar com a mulher, aprendeu a fazer o docinho e, há um ano e meio, virou a Baiana das Trufas. Desde então, conseguiu concluir o curso de comissária, trocou a pensão onde morava por um apartamento alugado e, às vezes, permite-se o conforto de voltar para casa de táxi após a jornada de vendas. No meio de seus “shows”, arrisca uma enrolação de inglês e chinês para os clientes estrangeiros. “Ainda tenho vontade de trabalhar com aviação ou como atriz”, afirma. “Mas também seria uma boa abrir uma microempresa de chocolates.”

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s