Dez lendas urbanas dos anos 80

Na época, a maioria de nós ainda nem tinha ouvido falar no termo “lenda urbana”, que só viria a se popularizar no Brasil com o filme homônimo (de terror, claro) lançado em 1998. Nem por isso deixávamos de morrer de medo de boa parte dos “causos” abaixo — ou de todos eles. Em geral, quem […]

Na época, a maioria de nós ainda nem tinha ouvido falar no termo “lenda urbana”, que só viria a se popularizar no Brasil com o filme homônimo (de terror, claro) lançado em 1998. Nem por isso deixávamos de morrer de medo de boa parte dos “causos” abaixo — ou de todos eles. Em geral, quem contava as histórias jurava que havia acontecido com um primo da vizinha da irmã do sobrinho da namorada do padrinho. Ou seja, com um conhecido beeeem distante.

+ Dez doces que marcaram os anos 80
+Dez brinquedos inesquecíveis da década de 80
+ As 10 coisas mais irritantes do Twitter (versão dos leitores)

Então, para alegrar o feriadão, vamos a mais uma sessão nostalgia, criada com dicas enviadas por alguns tuiteiros (os nomes dos perfis estão no final do texto).

1. XUXA, A BONECA ASSASSINA

Tudo bem que a versão brinquedo da rainha dos baixinhos era horrenda de feia — pernas e braços molengas e dimensões do corpo meio esquisitas. Mas, poxa, precisavam inventar que a coitadinha era assassina? Dizia a lenda que, na calada da noite, a boneca arranhava crianças até a morte. O mais curioso é que o mito surgiu antes que lançassem o filme “Brinquedo Assassino”, estrelado pelo desgraçadamente mau Chucky. Existia também uma versão em que, no lugar da Xuxa, a vilã era a boneca Amiguinha.

+ Especial Halloween: receitas, fantasias e curiosidades

2. A FACA DO FOFÃO

Quase uma versão masculina da história da Xuxa, só que ainda mais maligna. Alguém resolveu inventar que o boneco do Fofão vinha com uma faca escondida no corpo e que ele hipnotizava as crianças para abri-lo e fazer miséria com a lâmina — quer dizer, cortar dos pais aos amiguinhos. Péssimo.

Read more

Comentários
Deixe uma resposta

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s