Clique e Assine a partir de R$ 6,90/mês

Covid-19 no mundo: Áustria inicia lockdown em meio à nova onda na Europa

"Meu objetivo é muito claro: fazer com que os não vacinados sejam vacinados, não prender os não vacinados", disse o chanceler Alexander Schallenberg

Por Agência Brasil 15 nov 2021, 16h42

O governo austríaco decidiu impor um lockdown às pessoas não vacinadas contra o novo coronavírus, a partir desta segunda-feira (15), com a aproximação do inverno e o aumento das infecções na Europa. A Alemanha também impõe limites de circulação mais rígidos e o Reino Unido expande a aplicação de reforço da vacina para incluir adultos jovens.

Nas últimas semanas, a Europa tornou-se novamente o epicentro da pandemia. Com isso, alguns países voltaram a considerar a retomada de restrições no período que antecede o Natal e ampliaram o debate sobre as vacinas, se elas, por si só, são suficientes para conter a pandemia.

A chegada do inverno no Hemisfério Norte preocupa as autoridades, já que o vírus se espalha mais facilmente nos meses de frio, quando as pessoas se reúnem dentro de casa.

Na semana passada, a Europa foi responsável por mais da metade da média de infecções em todo o mundo e cerca da metade das últimas mortes, de acordo com uma contagem da Reuters. São os níveis mais altos desde abril do ano passado, quando o vírus estava em seu pico inicial na Itália.

Governos e empresas temem que a pandemia prolongada atrapalhe a ainda frágil recuperação econômica.

O governo da Áustria, conservador, disse que cerca de 2 milhões de pessoas no país, de cerca de 9 milhões de habitantes, agora só têm permissão para deixar suas casas em alguns casos, como ir ao trabalho ou fazer compras de itens essenciais.

+ OMS alerta sobre nova fase de Covid-19 na Europa

Há, no entanto, um ceticismo generalizado, inclusive entre os conservadores e a polícia, sobre como o bloqueio pode ser aplicado – será difícil verificar, por exemplo, se alguém está indo para o trabalho, o que é permitido, ou indo fazer compras para não itens essenciais, o que não é.

“Meu objetivo é muito claro: fazer com que os não vacinados sejam vacinados, não prender os não vacinados”, disse o chanceler Alexander Schallenberg à Rádio ORF enquanto explicava o bloqueio, que foi anunciado nesse domingo.

Continua após a publicidade

O objetivo é conter o surto de novas infecções, alimentadas por uma taxa de vacinação total de apenas cerca de 65% da população, uma das mais baixas da Europa Ocidental.

Nova onda

O governo federal da Alemanha e os líderes dos 16 estados do país devem discutir novas medidas nesta semana. Três ministros de saúde estaduais alemães pediram às partes que negociam para formar um novo governo. O objetivo é prolongar o poder dos estados de implementar medidas mais rígidas, como bloqueio ou fechamento de escolas, à medida que a taxa de incidência de covid-19 de sete dias atingia níveis recordes.

A chanceler Angela Merkel pediu às pessoas não vacinadas que reconsiderem sua decisão, em mensagem de vídeo divulgada no sábado (13). “Semanas difíceis estão à nossa frente, e você pode ver que estou muito preocupada”, disse Merkel em seu podcast semanal. “Peço urgentemente a todos que ainda não foram vacinados: reconsiderem.”

A França, a Holanda e muitos países da Europa Oriental também estão enfrentando um surto de infecções.

A Grã-Bretanha deve estender a aplicação de doses de reforço da vacina para pessoas entre 40 e 49 anos, disseram autoridades hoje, para aumentar a imunidade em declínio antes dos meses mais frios de inverno.

Atualmente, todas as pessoas a partir de 50 anos, aqueles que são clinicamente vulneráveis e os profissionais de saúde da linha de frente são elegíveis para reforços.

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, disse que não vê necessidade de mudar para um “Plano B” de mandatos de máscaras e passaportes vacinais, embora esteja cauteloso com o aumento de infecções na Europa.

“Estamos mantendo o Plano A”, disse ele em uma transmissão nesta segunda-feira. “Mas o que certamente temos que reconhecer é que há uma tempestade de infecções em algumas partes da Europa. Sempre existe o risco de que uma nova onda venha do leste, à medida que os meses ficam mais frios. A melhor proteção para o nosso país é que todos se apresentem e recebam seu reforço.”

Continua após a publicidade

Publicidade