Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês

Sertó Bar

(Desde 2018)

Tipos de Bares: Variados, Variados

VejaSP:

Endereço: Rua Major Sertório, 106 - Centro - São Paulo - SP ver no mapa

Telefone: (11) 32315422

Site: instagram.com/serto.sp

Horário:

segunda-feira 12:00 - 15:00 - 18:00 - 21:00

terça-feira 12:00 - 15:00 - 18:00 - 21:00

quarta-feira 12:00 - 15:00 - 18:00 - 23:00

quinta-feira 12:00 - 15:00 - 18:00 - 23:00

sexta-feira 12:00 - 15:00 - 18:00 - 23:00

sábado 12:00 - 23:00

domingo - Fechado

Informações adicionais: Entrega em domicílio, Acesso para deficientes, Lugares/Capacidade total (30), Levar vinhos (permite)

Resenha por Saulo Yassuda

Lustres, armarinhos, fotografias e objetos como relógios e televisores, espalhados pelo ambiente, remetem a tempos passados. O público, numeroso sobretudo aos sábados, se divide entre o salão escurinho e as mesas montadas em frente ao estabelecimento. Toda atarefada, a equipe tenta dar conta dos pedidos com rapidez. Durante o dia, fazem sucesso pratos como o baião de dois (R$ 42,00). Antes carros-chefes do menu, os hambúrgueres criados pelo chef Marcelo Magaldi têm melhor saída no jantar. O liberdade (R$ 31,00) une um bifão de carne moída prensada na chapa a queijo muçarela, bacon salgadinho, maionese de wassabi e um pepino que lembra muito de leve o sunomomo (picles de pepino) no brioche. O chamado joca é um petisco para compartilhar. Trata-se de um bolinho de feijoada com massa saborosa que pode falhar pela temperatura fria do recheio de linguiça picadinha e um tico de couve (R$ 24,00, quatro unidades). Para acompanhar, são bem pedidos os drinques. O sertório (R$ 38,00), de cachaça em jaqueira, mix de limões, geleia de cupuaçu, Chartreuse amarelo e pó de cambuci, é espesso e, não raro, pode estar melado demais. Melhor ficar no chopinho pilsen da Dunkel (R$ 14,00).

Informações checadas entre agosto e outubro de 2021.

    Lustres, armarinhos, fotografias e objetos como relógios e televisores, espalhados pelo ambiente, remetem a tempos passados. O público, numeroso sobretudo aos sábados, se divide entre o salão escurinho e as mesas montadas em frente ao estabelecimento. Toda atarefada, a equipe tenta dar conta dos pedidos com rapidez. Durante o dia, fazem sucesso pratos como o baião de dois (R$ 42,00). Antes carros-chefes do menu, os hambúrgueres criados pelo chef Marcelo Magaldi têm melhor saída no jantar. O liberdade (R$ 31,00) une um bifão de carne moída prensada na chapa a queijo muçarela, bacon salgadinho, maionese de wassabi e um pepino que lembra muito de leve o sunomomo (picles de pepino) no brioche. O chamado joca é um petisco para compartilhar. Trata-se de um bolinho de feijoada com massa saborosa que pode falhar pela temperatura fria do recheio de linguiça picadinha e um tico de couve (R$ 24,00, quatro unidades). Para acompanhar, são bem pedidos os drinques. O sertório (R$ 38,00), de cachaça em jaqueira, mix de limões, geleia de cupuaçu, Chartreuse amarelo e pó de cambuci, é espesso e, não raro, pode estar melado demais. Melhor ficar no chopinho pilsen da Dunkel (R$ 14,00).

    Informações checadas entre agosto e outubro de 2021.