Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Camélia Òdòdó

(Desde 2021)

Tipos de Restaurantes: Bom e barato, Vegetarianos

VejaSP:

Endereço: Rua Girassol, 451b - Vila Madalena - São Paulo - SP ver no mapa

Telefone: (11) 38150767

Site: cameliaododo.com.br

Horário:

segunda-feira - Fechado

terça-feira 10:00 - 21:00

quarta-feira 10:00 - 21:00

quinta-feira 10:00 - 21:00

sexta-feira 10:00 - 21:00

sábado 10:00 - 21:00

domingo 10:00 - 17:00

Informações adicionais: Entrega em domicílio, Lugares/Capacidade total (30), Levar vinhos (permite) (R$ 50,00)

Resenha por Arnaldo Lorençato

O Camélia Òdòdó não é um local para fãs de carne. É um lugar para quem não dispensa comer bem e apenas pedidas com vegetais. É também o primeiro misto de restaurante e café da chef Bela Gil, filha do cantor Gilberto Gil, que ficou famosa pelos programas que apresenta no canal pago GNT. Percebe-se a maturidade no trabalho da cozinheira baiana, que escolheu São Paulo para abrir seu primeiro negócio. Por trás do nome marcante, há um significado e tanto: à camélia, cultivada em jardins ou usada na lapela por abolicionistas no século XIX, Bela juntou a palavra òdòdó, ou flor na língua iorubá. Passemos aos pratos. De uma delicadeza impressionante, há salgadinhos que podem ser pedidos em porção (R$ 27,00 com seis). Em vez de frango, a coxinha leva recheio de jaca, os croquetes recebem taioba no lugar da carne, que também é substituída por abóbora e bertalha, verdurinha de origem indiana, no quibe. Ainda na petiscagem, a jaca, transformada naquilo que se convencionou erroneamente a chamar de carne, aparece com uma maionese de castanha-de-caju mais picles de cebola-roxa assentada em pão de fermentação natural. É o que os italianos denominariam de bruschetta natureba. Custa R$ 38,00. Um prato trivial de deixar saudade, o ocidente (R$ 45,10) combina arroz da terra (semipolido e trazido da Paraíba), feijão-carioquinha, vegetais salteados e salada verde mais farofa de castanhas brasileiras e molho de cenoura com gengibre para banhar os vegetais. Fãs da culinária baiana podem se satisfazer, somente às sextas, com o bobó de cogumelo shimeji no creme de aipim com leite de coco de produção própria e um cheiro de dendê, servido junto de farofa de dendê e arroz agroecológico com bertalha, a R$ 47,00. Embora boas, as sobremesas encantam menos do que os pratos. Falta um traço mais sedoso à intensa musse de chocolate 70% de cacau (R$ 25,00), espessada com aquafaba, água do cozimento do grão-de-bico. Bela, que nunca tinha ouvido falar de banoffee (R$ 38,00), a torta de banana de origem inglesa, criou uma versão com crumble de aveia, chantili de coco e caramelo toffee, esse no lugar do doce de leite, usado na versão pela qual a receita se popularizou no Brasil. É campeã de pedidos entre os doces.

Informações checadas no mês de junho de 2021.

    O Camélia Òdòdó não é um local para fãs de carne. É um lugar para quem não dispensa comer bem e apenas pedidas com vegetais. É também o primeiro misto de restaurante e café da chef Bela Gil, filha do cantor Gilberto Gil, que ficou famosa pelos programas que apresenta no canal pago GNT. Percebe-se a maturidade no trabalho da cozinheira baiana, que escolheu São Paulo para abrir seu primeiro negócio. Por trás do nome marcante, há um significado e tanto: à camélia, cultivada em jardins ou usada na lapela por abolicionistas no século XIX, Bela juntou a palavra òdòdó, ou flor na língua iorubá. Passemos aos pratos. De uma delicadeza impressionante, há salgadinhos que podem ser pedidos em porção (R$ 27,00 com seis). Em vez de frango, a coxinha leva recheio de jaca, os croquetes recebem taioba no lugar da carne, que também é substituída por abóbora e bertalha, verdurinha de origem indiana, no quibe. Ainda na petiscagem, a jaca, transformada naquilo que se convencionou erroneamente a chamar de carne, aparece com uma maionese de castanha-de-caju mais picles de cebola-roxa assentada em pão de fermentação natural. É o que os italianos denominariam de bruschetta natureba. Custa R$ 38,00. Um prato trivial de deixar saudade, o ocidente (R$ 45,10) combina arroz da terra (semipolido e trazido da Paraíba), feijão-carioquinha, vegetais salteados e salada verde mais farofa de castanhas brasileiras e molho de cenoura com gengibre para banhar os vegetais. Fãs da culinária baiana podem se satisfazer, somente às sextas, com o bobó de cogumelo shimeji no creme de aipim com leite de coco de produção própria e um cheiro de dendê, servido junto de farofa de dendê e arroz agroecológico com bertalha, a R$ 47,00. Embora boas, as sobremesas encantam menos do que os pratos. Falta um traço mais sedoso à intensa musse de chocolate 70% de cacau (R$ 25,00), espessada com aquafaba, água do cozimento do grão-de-bico. Bela, que nunca tinha ouvido falar de banoffee (R$ 38,00), a torta de banana de origem inglesa, criou uma versão com crumble de aveia, chantili de coco e caramelo toffee, esse no lugar do doce de leite, usado na versão pela qual a receita se popularizou no Brasil. É campeã de pedidos entre os doces.

    Informações checadas no mês de junho de 2021.