Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Técnica de tapeçaria, tufting atrai público jovem

Com cores, formatos e texturas diferentes, arte têxtil cresceu com divulgação nas redes sociais

Por Gabriela Amorim Atualizado em 21 Maio 2021, 13h33 - Publicado em 21 Maio 2021, 06h00

Uma surpresa, a arte têxtil está em um momento de ascensão graças às redes sociais. A tapeçaria manual feita com uma pistola, conhecida como tufting gun, traz peças com formatos, texturas e cores diferentes do usual. Difícil de ser encontrada no país, porque costuma ser importada a preços elevados, a máquina produz peças que costumam cativar as pessoas — como hobby ou para gerar renda, com peças a pronta entrega, que variam de 170 a 300 reais, dependendo do tamanho.

Uma peça de tapeçaria abstrata com formas arredondadas em laranja, marrom, rosa e verde
Tapeçaria com tufting: peça da designer de moda Jéssica Costa Juss/Criatura Studio/Divulgação

Jéssica Costa, designer de moda, se encontrou nas técnicas de bordado, que tem um simbolismo por carregar a história de gerações de mulheres. Tralhando com a técnica de tufting, ela apresenta peças da série intitulada O que Me Consome, com formas orgânicas. “A impressão é de pintar uma tela em branco, só que com a lã, que é uma matéria-prima tridimensional”, afirma.

Mulher segura e olha para uma pistola de tufting (tapeçaria)
Jéssica e sua pistola: inspiração em outras gerações Juss/Criatura Studio/Divulgação

O designer Jan Albuquerque se ambientou com o mundo de tricôs e crochês quando observava suas avós. Com a tufagem manual, ele quebra o modelo-padrão de tapeçarias, trazendo como inspiração a arquitetura da cidade de São Paulo. Morador do centro, ele vende suas peças únicas, criadas sob encomenda, na sua marca Tapete Torto, nascida em novembro passado. “Gosto da troca com outros criadores. É bom ter recomendações de materiais, porque é duro ser pioneiro”, brinca o artista sul-mato-grossense.

Montagem com duas fotos. A primeira mostra Pessoa estende um tapete na sua frente. Peça é vermelha e abstrata com formas verde, amarela, branca e tons de rosa. A segunda imagem é Homem moreno segura uma pistola de tufting (tapeçaria) com uma bola de tricô.
O designer Jan Albuquerque: nome por trás da marca paulistana Tapete Tortto Arquivo Pessoal/Divulgação

O casal Isabela Maia e Leonardo Vieira é dono da marca Futuro, que produz, além de blusas e bolsas, os queridinhos espelhos com bordas coloridas e tapetinhos lúdicos cheios de vida. Tudo começou quando Vieira quis aprender alguma atividade nova durante a pandemia e enxergou no tufting um hobby. “Ele fez um tapete e postou. Em seguida, o pessoal ficou alucinado querendo”, lembra Maia.

Montagem com duas imagens. A primeira é Um menino, em céu aberto na grama, segura uma peça de tapeçaria que contém flores, um emoji feliz, nuvens e céu. A segunda é um casal jovem, formado por um homem e uma mulher.
Isabela e Leonardo: início na pandemia como hobby Arquivo Pessoal/Divulgação

Para a dupla de irmãs Gabriela Adami e Mariana Simonetti, a tapeçaria manual ainda é a solução nesta fase de adaptação com a pistola. Com cinco meses de vida, a Bimb, marca paulista, já encontrou seu caminho. Adami, artista autodidata, desenvolveu a técnica assistindo a vídeos no YouTube. “Eu quero dar textura, volume. Esses detalhes me inspiram”, diz ela. Com inúmeras referências, Adami busca transformar as peças em sua própria linguagem.

Quatro fotos em polaroid, de meninas segurando peças de tapeçaria azul, são postas na mesma peça de tapeçaria
Mariana Simonetti e Gabriela Adami: irmãs e parceiras de produção Arquivo pessoal/Divulgação

ONDE ENCONTRAR NO INSTAGRAM:

  1. @bimb.online
  2. @futuro.sp
  3. @jessicacosta
  4. @tapetetorto

Assine a Vejinha a partir de 8,90 mensais

Publicado em VEJA São Paulo de 26 de maio de 2021, edição nº 2739

Continua após a publicidade
Publicidade