Continua após publicidade

Masp discute gênero, afeto e sexualidade em exposições inéditas no país

Catherine Opie e Lia D Castro protagonizam as novas mostras do museu; confira entrevistas com as artistas

Por Mattheus Goto
Atualizado em 5 jul 2024, 21h30 - Publicado em 5 jul 2024, 07h30

O Masp abre nesta sexta-feira (5) três exposições inéditas no país, sobre Catherine Opie (até 27/10), Lia D Castro (até 17/11) e Ventura Profana (até 18/8). As mostras fazem parte da programação do ano do museu, pautada pelas Histórias da Diversidade LGBTQIA+.

Catherine Opie: O Gênero do Retrato é a primeira individual da renomada fotógrafa americana contemporânea, de 63 anos, em terras brasileiras. A profissional foi pioneira no retrato de identidades queer nos anos 80. “É uma honra e um sonho realizado estar aqui, expondo nesse prédio, com tanta história”, afirma ela, emocionada, em entrevista à Vejinha. Há uma seleção de mais de sessenta imagens, clicadas em estúdio — como a do ator Elliot Page, feita para ilustrar a capa de sua autobiografia, Pageboy: Memórias (2023) — e nas casas dos personagens.

Também são exibidos autorretratos íntimos, como o da série Nursing (2004), em que aparece amamentando o filho. As fotografias são apresentadas junto de 21 pinturas importantes do acervo do Masp, de nomes como Pierre-Auguste Renoir e Van Gogh. O público pode ver, lado a lado, o icônico Cristo Abençoador (1834), de Jean-Auguste Dominique Ingres, e a fotografia de Rocco, homem trans, com cicatrizes da mastectomia e a tatuagem “Tender hearted” (“Coração tenro”). “Nunca tinha visto meu trabalho dessa forma.”

Chloe (1993), fotografada por Catherine Opie
Chloe (1993), fotografada por Catherine Opie (Cortesia da artista/Masp/Divulgação)
Autorretrato de Catherine Opie
Autorretrato de Catherine Opie (Cortesia da artista/Masp/Divulgação)

Segundo Guilherme Giufrida, que assina a curadoria com o diretor artístico Adriano Pedrosa, a produção de Catherine dialoga com o retratismo clássico. “Ela não fez olhando para a coleção do Masp, mas podemos observar diálogos, cruzamentos e paralelos formais, temáticos e narrativos nas composições dos arranjos”, comenta o curador. “Cada um vai levar o espectador a muitas interpretações.”

A fotógrafa acredita que há uma evolução nas discussões de gênero no Brasil. Na sua perspectiva, construções imagéticas brasileiras, como as do Carnaval, colaboraram para quebrar com a heteronormatividade no imaginário americano. Porém, reconhece que pode haver oposição ao diálogo entre fotos e pinturas — “Estamos vivendo em um mundo polarizado”, diz.

O diálogo também faz parte do trabalho de Lia D Castro, nas palavras da própria. “Estar no Masp é bem interessante, pois dá visibilidade para entrar em contato com um público diverso”, comenta a artista e intelectual, nascida em 1978 em Martinópolis, interior paulista. Lia D Castro: Em Todo e Nenhum Lugar expõe 36 trabalhos, a maioria pinturas figurativas.

Um dos temas recorrentes é o afeto, tanto familiar quanto romântico. Um exemplo, Axs Nossxs Filhxs (2021) foi criada a partir de cenas em sua sala de estar, que sugerem diferentes contextos ao espectador. A maior inspiração são momentos particulares com clientes que a contratavam como prostituta. Uma exceção é Axs Nossxs Pais (2021), que contou com os pais de Lia como modelos. Há ainda reflexões relevantes sobre racismo e masculinidade. Em todas as peças, os retratados participam de forma ativa.

'Davi' (2021), de Lia de Castro: nuca do primeiro cliente negro da artista, posicionado de frente para um homem branco
‘Davi’ (2021), de Lia de Castro: nuca do primeiro cliente negro da artista, posicionado de frente para um homem branco (Lucas Cruz/Instituto Çarê/Divulgação)

“A pintura e a prostituição são ferramentas para sua pesquisa”, explica Isabella Rjeille, curadora da mostra ao lado de Glaucea Helena de Britto. “A intenção não é falar sobre prostituição e sexo. As obras despertam outras discussões”, ela acrescenta. Para Glaucea, a artista tem uma abordagem inovadora, de subverter os estereótipos raciais e a tradição da pintura por brancos.

Essa é a primeira individual da artista em um museu. Acompanhado do ineditismo, o nome da mostra reforça o acesso de pessoas pretas, que estão em todo lugar, mas são negadas em espaços de poder. “Nos deixam entrar sob a condição de sermos iguais a eles (brancos). Em feiras de arte e outras instituições, a sensação é de estar pisando em ovos”, analisa. “Ninguém contrata uma pessoa branca por ser branca. Quero pintar como Lia D Castro, não como mulher trans.”

A terceira exposição é de Ventura Profana, cantora, pastora e artista visual, na sala de vídeos, que fala sobre fé, religião e família.

Publicado em VEJA São Paulo de 5 de julho de 2024, edição nº 2900

Compartilhe essa matéria via:
Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe semanalmente Veja SP* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de São Paulo

a partir de 49,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.