Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês

Casal cria marca de acessórios inspirada em arquitetura paulistana

Entre os itens, joias feitas com pastilhas que caem da fachada do edifício Copan

Por Fernanda Campos Almeida Atualizado em 24 jun 2021, 21h15 - Publicado em 25 jun 2021, 06h00

Apaixonados por arquitetura, arte e pela cidade, o bancário Bruno Lima, 36, e o designer Erick Paulino, 39, tinham o desejo de criar uma marca sobre São Paulo.

Erick já havia comprado uma impressora 3D durante a pandemia e descobriu que os modelos feitos nas máquinas poderiam ser transformados em peças de prata por um fundidor. Daí surgiu a ideia de criar a loja de joias Copan (@usocopan) em setembro do ano passado. “A gente já estudava sobre arquitetura paulistana e moda e não achamos nenhuma representação com acessórios no mercado”, explica Erick.

O ícone paulistano escolhido para representar a marca foi o próprio Edifício Copan, na República. “Ele é grandioso e reúne diversas tribos da cidade”, conta Bruno, sobre o interesse pela obra de Oscar Niemeyer. Os dois entraram em contato com moradores do prédio em busca de referências para futuras criações e encontraram o estilista Walério Araújo, outro amante do imóvel.

+Assine a Vejinha a partir de 8,90.

Os três tiveram a ideia de produzir uma joia com as pastilhas de porcelana dos quebra-sóis que caem da fachada do edifício e acabam parando no lixo. Walério desenhou os Brincos Pastilhas Copan WA (349 reais) com molde impresso em 3D. As pastilhas são recolhidas, recuperadas e anexadas aos brincos. “Moradores relatam que as pastilhas sempre caem quando chove. Pegamos até com concreto junto”, diz Erick.

brincos em formato de losango com pastilhas caídas do copan
Joia com pastilhas caídas do Copan: desenhada por Walério Araújo Divulgação/Divulgação

Os itens mais vendidos são os brincos que representam o famoso piso paulista, criado pela artista plástica Mirthes Bernardes, que morreu em 2020. A joia de prata custa 189 reais e a versão de plástico biodegradável PLA, 49 reais a peça-padrão, ou 69 reais os brincos duplos para os dois furos de cada orelha.

Continua após a publicidade
brincos com o formato do estádo de São Paulo
Os mais vendidos: brincos do piso paulista (acima, o modelo de prata, abaixo, o de plástico PLA) Divulgação/Divulgação
brincos com o formato do estádo de São Paulo
Divulgação/Divulgação

+Assine a Vejinha a partir de 8,90.

A primeira peça criada, no entanto, foi a pulseira com o pingente do Pátio do Colégio (189 reais a versão de prata e 69 a de plástico PLA), no centro. O casal pensou em fazer uma homenagem ao edifício histórico, mas, ao conversar com o padre Carlos Alberto Contieri e decobrir que a instituição precisava de ajuda financeira, decidiu criar uma parceria para arrecadar fundos. Metade dos ganhos com a pulseira é destinada à preservação do pátio, que passou a vender o acessório.

Um dos itens preferidos dos criadores são os Brincos Pompeia (319 reais), que imitam as janelas irregulares do Sesc Pompeia. “Diz a lenda que a arquiteta Lina Bo Bardi projetou assim para que ninguém colocasse vidros no futuro”, sugere o designer.

Brincos com o formato do gradil das janelas do sesc Pompeia
Brincos Pompeia: inspirados nas janelas do Sesc Divulgação/Divulgação

Há ainda outras peças de revenda que foram inspiradas em pontos importantes da cidade, como o brinco único do Memorial da América Latina (79 reais) e as abóbadas da Igreja da Consolação no formato de pulseira (189 reais) ou par de brincos (219 reais).

Todas as peças estão disponíveis no site www.copanjoias.com.br e na Loja da Cidade, no Farol Santander.

+Assine a Vejinha a partir de 8,90.

Publicado em VEJA São Paulo de 30 de junho de 2021, edição nº 2744

  • Continua após a publicidade
    Publicidade