Continua após publicidade

Especialistas avaliam ovos de Páscoa com recheio cremoso

A chef Janaína Rueda, do Bar da Dona Onça, o confeiteiro Lucas Corazza e a apresentadora Danielle Noce provaram sete produtos feitos para comer com a colher

Por Sophia Braun [colaboraram Juliene Moretti e Mariana Oliveira]
Atualizado em 17 Maio 2024, 11h36 - Publicado em 9 abr 2014, 10h55

Os ovos de Páscoa com recheio cremoso, para devorar com a ajuda de uma colher, se tornaram moda e estão entre os mais procurados nos supermercados. Na dúvida entre qual deles comprar, convidamos três especialistas para avaliar produtos de sete diferentes marcas, com preços que variam de 90 reais a 256,67 reais o quilo. Na última quinta (3), a apresentadora Danielle Noce, do site I Could Kill for Desert; Janaína Rueda, chef do Bar da Dona Onça, e Lucas Corazza, confeiteiro e apresentador do canal Bem Simples, reuniram-se para provar versões recheadas com pasta de amendoim, marshmallow, brigadeiro, doce de leite e creme de chocolate, entre outros.

 

No geral, o trio de experts concluiu que os ovos testados são “regulares”. “Tenho pena das crianças de hoje, que crescem achando que esse tipo de doce é chocolate”, lamentou Janaína. Para Corazza, o cenário é “entristecedor e funciona como um desserviço à sociedade”. Critérios como a qualidade do chocolate, a espessura da casca e a textura do recheio, bem como a harmonia entre os dois fatores, deixaram a desejar. “Muitos deles nem pareciam chocolate de verdade”, criticou Danielle. “Tinham sabor de essência e gordura hidrogenada”, diz ela.

 

O ovo de Páscoa mais elogiado foi a versão ao leite da marca Amor aos Pedaços, preenchida por brigadeiro, que custa 69 reais (300 gramas). “O fabricante caprichou nesse doce”, afirmou Janaína. A guloseima mais barata agradou por seu recheio: o Bon o Bon, da Arcor, leva creme de amendoim em seu interior (35,99 reais; 440 gramas). “É o tipo da porcaria que eu devoraria assistindo a um filme no sofá”, brincou Corazza, embora tenha achado o creme “muuuito gorduroso”.

Continua após a publicidade

 

O produto mais caro, o ovo nhá-benta (77 reais; 300 gramas), da Kopenhagen, foi criticado por sua casca muito grossa. “Um ovo para comer de colher precisa ser delicado”, afirmou Danielle. No teste entraram ainda criações da Cacau Show e Chocolates Brasil Cacau, disponíveis apenas em caixas com três ovinhos recheados, além de Garoto e Nestlé (com dois representantes).

Em 2013, um grupo de especialistas avaliou os clássicos ovos de chocolate ao leite e o resultado foi igualmente decepcionante. Leia clicando AQUI.

Páscoa 2014 - teste dos ovos de colher
Páscoa 2014 – teste dos ovos de colher ()
Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe semanalmente Veja SP* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de São Paulo

a partir de R$ 39,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.