Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

O chocolate vai acabar em 2020? Não é bem assim

Gigante Barry Callebaut afirma que escassez de cacau é menor do que a divulgada; produtoras paulistanas não temem o fim do produto

Por Saulo Yassuda Atualizado em 20 jan 2022, 09h21 - Publicado em 20 nov 2014, 17h24

Nos últimos dias, circulou uma notícia alarmante: o chocolate vai acabar em 2020. Segundo matéria do The Washington Post publicada em 15 de novembro, a produção de cacau não acompanharia o aumento do consumo de chocolate no mundo e o futuro seria nada doce.

A informação teria sido confirmada por duas das maiores fabricantes do produto, a marca franco-belga com sede na Suíça Barry Callebaut e a americana Mars (da M&M’s e do Twix).

+ A melhor escola de chocolate da cidade

A história real, no entanto, parece menos alarmante. “A Barry Callebaut não emitiu qualquer pronunciamento à imprensa ou descobertas sobre um eventual déficit de mil toneladas de cacau até 2020″, diz a nota emitida pela empresa.

+ Doces industrializados viram ingredientes de bolos

Segundo a Callebaut, deve haver, sim, alguma escassez de cacau até 2020, mas esse déficit será “bem menor” que a projeção de 2010 que baseou da notícia. A companhia diz adotar programas de sustentabilidade com alternativas para evitar a falta do produto. 

   

Apesar de não negar o perigo do “apagão” em 2020, a Mars endossa o coro e tranquiliza os consumidores. A empresa afirma trabalhar “com a indústria e governos produtores para desenhar e entregar projetos focados em produtividade e desenvolvimento”.

Continua após a publicidade

BRASIL

Por aqui, as produtoras de chocolate não se desesperaram com o possível fim do cacau. “Ouço há uns quinze anos essa história”, conta Oswaldo Marconi, dono da Di Siena, popular fábrica com loja em Perdizes. “Por enquanto, tenho uma programaçao de entrega normal com meu fornecedor de matéria-prima.”

Entretanto, o empresário reclama do preço do cacau cada vez mais caro. “No último ano, houve aumento de 100% no valor da manteiga e na massa de cacau”, afirma Marconi. “O surto de ebola na África, uma das grandes produtoras, contribuiu para essa inflação.”

Fábrica Cacau Show_2158
Fábrica Cacau Show_2158

“Tem um pouco de exagero na notícia, francamente”, diz Alexandre Costa, presidenter da gigante Cacau Show, rede com 1 770 lojas espalhadas pelo Brasil. Segundo o empresário, hoje há um grande investimento na produção de cacau no país, e o cultivo e a produtividade devem crescer à medida que o consumo aumentar. “A gente é cacau show. Vai acabar o cacau e ficar só o show [risos]”, ironiza. Os chocólatras respiram aliviados.

 

 

 

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Para entender e curtir o melhor de SP, Veja São Paulo. Assine e continue lendo.

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas de São Paulo.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)

Impressa + Digital

Plano completo da VejaSP! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas de São Paulo.

Receba semanalmente VejaSP impressa mais acesso imediato às edições digitais no App Veja, para celular e tablet.

a partir de R$ 19,90/mês