Imagem Blog

Em Terapia Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Arnaldo Cheixas
Terapeuta analítico-comportamental e mestre em Neurociências e Comportamento pela USP, Cheixas propõe usar a psicologia na abordagem de temas relevantes sobre a vida na metrópole.
Continua após publicidade

‘Rebentar’, o livro que salvou literariamente meu 2015

O ano de 2015 estava quase acabando e eu estava me dando conta de que, tirando alguns clássicos, eu não tinha lido nenhum livro que realmente tivesse valido a pena. Até que me deparei com um drama escrito por um escritor que está praticamente estreando na literatura nacional. A narrativa Rebentar, de Rafael Gallo (Editora […]

Por Carolina Giovanelli
Atualizado em 26 fev 2017, 13h42 - Publicado em 5 jan 2016, 12h07

livro rebentar

O ano de 2015 estava quase acabando e eu estava me dando conta de que, tirando alguns clássicos, eu não tinha lido nenhum livro que realmente tivesse valido a pena. Até que me deparei com um drama escrito por um escritor que está praticamente estreando na literatura nacional. A narrativa Rebentar, de Rafael Gallo (Editora Record), lida por mim nas últimas duas semanas de dezembro, salvou meu ano literário.

No romance, a protagonista, Ângela, é a mãe de uma criança desaparecida que, depois de mais de trinta anos tentando encontrar o filho, decide renunciar à busca e à espera. Espera esta que se desenrola com toques dramáticos como manter intacto o quarto do filho ao longo dos anos.

+ Se a vida não é bela, resta seguir adiante

Ela se dá conta depois de três décadas de que, mesmo que encontre seu filho, ele não é mais uma criança de 5 anos de idade mas sim um homem com quase 40 e que não cresceu com a família. Sim, foi a forma complexa que a personagem encontrou para superar sua tragédia. Rafael Gallo aborda de forma delicada mas ainda assim implacável todas as angústias vividas pela protagonista para chegar nessa paradoxal renúncia.

Continua após a publicidade

Duas características da narrativa chamaram positivamente minha atenção: o tamanho do livro (376 páginas) e a estrutura dos capítulos construída sobre uma base tão simples quanto o passar dos meses.

Gallo foi corajoso ao adotar essas características uma vez que foge ao padrão habitual dos livros contemporâneos, curtos e com uma estrutura que facilite a leitura. Nada contra facilitar a leitura mas o problema é que, ao fazer isso, muitos autores deixam seus textos estéreis. Mas se há algo que Rebentar não seja é estéril.

Rafael Gallo é claramente um autor em formação e que certamente nos brindará em breve com mais obras resultantes de sua criatividade e ousadia.

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Para curtir o melhor de São Paulo!
Receba VEJA e VEJA SP impressas e tenha acesso digital a todos os títulos Abril.
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe semanalmente Veja SP* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de São Paulo

a partir de R$ 39,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.