Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Pop! Pop! Pop! Por Blog Cultura pop, TV e o que repercute nas redes sociais

Áudio misterioso intriga internautas: é Yanny ou Laurel?

Você provavelmente se lembra da história do vestido azul ou dourado, que deu o que falar em 2015

Por Redação VEJA São Paulo Atualizado em 5 fev 2020, 14h08 - Publicado em 16 Maio 2018, 12h20

Na segunda (14), a usuária @CloeCouture compartilhou no Twitter um vídeo que está dando o que falar na internet. O registro, feito originalmente no Instagram Stories, mostra um áudio e faz uma simples pergunta: “O que você escuta? Yanny ou Laurel?“. O tuíte já tem mais de 90 000 curtidas em poucos dias. Assista: 

Você provavelmente se lembra da história do vestido azul ou dourado, que deu o que falar em 2015 — clique aqui para relembrar o caso. A história do áudio é um pouco semelhante: algumas pessoas escutam “Yanny”, enquanto outras ouvem claramente “Laurel”.

A ciência não pode decidir se você ouve com mais clareza um ou outro nome, mas pode explicar por que você está discutindo o assunto com seus colegas de trabalho nesta quarta (16).

A gravação é de uma qualidade bastante baixa. Por isso, o seu cérebro preenche as “lacunas” entre os sons, assim como ele fazia com o vestido azul e preto. Na época, o clique foi feito com uma luz muito fraca e a foto tinha baixa resolução.

Ao BuzzFeed, Raul Veiga, CEO da produtora Radial Produções, disse que os nomes diferentes são um exemplo do “efeito McGurk”, fenômeno que acontece quando você escuta algo diferente do som real por causa de um estímulo visual. “É uma gravação de baixa qualidade e o cérebro é influenciado pelo o que você leu primeiro, antes de você de fato ouvir o som. O que deixa as pessoas confusas é que não é Yanny ou Laurel, é mais um ‘Yarel’“, explicou.

O aparelho que você está usando para escutar o áudio também pode afetar o resultado final: “Caixas de som ou fones de ouvidos podem ter frequências completamente diferentes. Por exemplo, as caixas de som de um laptop têm uma resposta de baixa frequência muito limitada. Por causa disso, um nome ou o outro pode ter mais ênfase para um ouvinte“, explicou Poppy Crum, cientista chefe nos Laboratórios Dolby.

Ou seja: a discussão se dá por que o seu cérebro está preenchendo o áudio de uma maneira, enquanto o cérebro do seu colega está preenchendo as lacunas de uma maneira diferente. É por causa dessa ambiguidade que algumas pessoas escutam “Yanny”, enquanto outras escutam “Laurel”.

Há também a opção de misturar os dois nomes, formando “Yammy” ou até “Yannel”. Se você ouviu primeiramente “Yanny” e depois passou ao ouvir “Laurel”, ou vice-versa, a explicação é que seu cérebro foi influenciado após ver os dois nomes. “Essas ilusões diferenciais são interessantes por que elas mostram como o cérebro funciona, combinando informações com suposições“, disse o professor de psicologia da New York University, Pascal Wallisch.

Quando você escuta uma música que você conhece na rádio, mas você fica mais e mais distante da estação até que a composição é só estática, você pode perceber que ainda está ‘escutando’ a música porque o seu cérebro está preenchendo os espaços com o que você já conhece“, explicou Alex Holcombe, professor de psicologia da Universidade de Sydney. Na internet, a publicação está dando o que falar. Confira a repercussão: 

Continua após a publicidade

Dê sua opinião: E você, escuta “Yanny” ou “Laurel”? Deixe seu comentário e aproveite para curtir a nossa fanpage no Facebook!

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Para entender e curtir o melhor de SP, Veja São Paulo. Assine e continue lendo.

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas de São Paulo.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)

Impressa + Digital

Plano completo da VejaSP! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas de São Paulo.

Receba semanalmente VejaSP impressa mais acesso imediato às edições digitais no App Veja, para celular e tablet.

a partir de R$ 19,90/mês