Imagem Blog

Memória

Por Blog
Uma viagem no tempo às décadas passadas por meio de suas histórias, costumes e curiosidades.
Continua após publicidade

Doze vilões das novelas brasileiras

Eles têm muito o que aprender com as mulheres, mas não deixam de ser grandes vilões

Por Roosevelt Garcia Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
12 jan 2018, 10h33

Todos nós sabemos que uma boa novela tem que ter um vilão, aquele que dificulta ao máximo a vida dos heróis e que provoca situações que os fazem amados e odiados ao mesmo tempo. As maiores vilãs dos nossos folhetins são mulheres, como podemos relembrar neste post, mas os homens também tiveram seus momentos maquiavélicos. Claro que as vilãs femininas são muito mais ardilosas e más, mas alguns meninos também deixaram sua marca no livrinho obscuro da teledramaturgia brasileira. Relembre alguns dos maiores vilões das nossas novelas.

 

  • Coronel Pedro Barros – Irmãos Coragem

Gilberto Martinho (Globo – 1970) e Cláudio Marzo (Globo – 1995)

Homem mais poderoso da cidade de Coroado, ele faz e desfaz o que quer, inclusive manda roubar o diamante encontrado pelo simplório João Coragem.

(Rede Globo/Divulgação)

 

 

  • Romero Rômulo – A Regra do Jogo

Alexandre Nero  (Globo – 2015)

A princípio, parecia o herói da novela, mas se revelou um bandido que aliciava jovens delinquentes para realizar seus negócios, e mantinha uma conexão direta com lideranças de facções em presídios.

Continua após a publicidade
(Rede Globo/Divulgação)

 

 

  • Leôncio Almeida – A Escrava Isaura

Rubens de Falco (Globo – 1976) e  Leopoldo Pacheco (Record – 2004)

Apaixonado por sua escrava, ele fazia com ela as maiores maldades por conta do amor não correspondido, até colocá-la no tronco para ser açoitada.

(Globo / Record/Divulgação)

 

 

  • Olavo Novaes – Paraíso Tropical

Wagner Moura (Globo – 2007)

Ambicioso e mau-caráter, ele se esconde atrás de um comportamento amigável com todos para conseguir o que quer, mas por trás é uma víbora, principalmente com o sobrinho e protegido do diretor da grande empresa onde é diretor financeiro.

Continua após a publicidade
(Rede Globo/Divulgação)

 

 

  • Alexandre – A Viagem

Ewerton de Castro (Tupi – 1975) e Gulherme Fontes (Globo – 1994)

Alexandre é um jovem delinquente que acaba cometendo suicídio na prisão, amaldiçoando todos que ajudaram a coloca-lo lá. No pós-vida, ele influencia negativamente a vida de muitas pessoas, e poucos realmente acreditam no que está acontecendo.

(Tupi / Globo/Divulgação)

 

 

  • Felipe Barreto – O Dono do Mundo

Antônio Fagundes (Globo – 1991)

Continua após a publicidade

Vilão mais odiado da década de 90, o cirurgião plástico arrogante e sem escrúpulos faz uma aposta com um amigo que tiraria a virgindade da noiva de um de seus funcionários, antes da lua de mel. Com essa atitude ele transforma a vida do casal, cujo rapaz acaba se suicidando.

(Rede Globo/Divulgação)

 

  • Felix Khoury – Amor à Vida

Mateus Solano  (Globo – 2013)

O primeiro vilão gay da televisão acabou amado pelo público, pois iniciou a trama como um canalha ardiloso e foi se transformando no decorrer da história, terminando como uma pessoa boa.

(Rede Globo/Divulgação)

 

 

  • Sinhozinho Malta – Roque Santeiro

Lima Duarte (Globo – 1985)

Talvez ele não mereça estar nesta lista, porque, apesar de ser o vilão da novela e o manda chuva de tudo que de ruim acontece em Asa Branca, Sinhozinho Malta é um dos personagens mais queridos de toda a história da teledramaturgia brasileira, principalmente por conta de sua relação nada tradicional com a Viúva Porcina.

Continua após a publicidade
(Rede Globo/Divulgação)

 

 

  • Marcos – Mulheres Apaixonadas

Dan Stulbach (Globo – 2003)

O psicótico Marcos não era um vilão comum. Não queria pisotear as pessoas pra chegar onde queria, ou acabar com a vida de seus inimigos da forma mais dolorosa possível. Ele era extremamente ciumento e possessivo, o que o fazia perseguir e bater na esposa, e isso levou até uma discussão sobre violência doméstica entre os espectadores.

(Rede Globo/Divulgação)

 

 

  • Leonardo Brandão – Insensato Coração

Gabriel Braga Nunes (Globo – 2001)

Golpista, ele seduz uma técnica de enfermagem que cuida de um idoso, mata o ancião e rouba sua fortuna, e ainda põe a culpa nela, que é presa. Não contente, ele rouba a paixão do irmão e se casa com ela.

Continua após a publicidade
(Rede Globo/Divulgação)

 

 

  • Alberto – Flor do Caribe

Igor Rickli (Globo – 2013)

Empresário ambicioso, dá um jeito de mandar seu melhor amigo para longe para ficar com a mulher dele.

(Rede Globo/Divulgação)

 

 

  • Ernest – Joia Rara

José de Abreu (Globo – 2014)

Autoritário, ele faz de tudo para separar seu filho da esposa e ficar com a guarda da neta, e ainda consegue colocar a nora atrás das grades injustamente.

(Rede Globo/Divulgação)

 

 

 

 

 

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe semanalmente Veja SP* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de São Paulo

a partir de R$ 39,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.