Imagem Blog

Memória

Por Blog
Uma viagem no tempo às décadas passadas por meio de suas histórias, costumes e curiosidades.
Continua após publicidade

A história esquecida de Charlotte Maluf, joalheira underground dos anos 90

Ela ganhou espaço com peças de caveiras e crucifixos

Por Tatiane de Assis Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 6 dez 2019, 14h42 - Publicado em 6 dez 2019, 06h00

A designer de joias Charlotte Maluf (1959-2005) ficou conhecida nos anos 90 ao produzir peças de ouro e prata com crucifixos e escaravelhos. “Naquele tempo, não era fácil achar colares e brincos com uma pegada rock’n’roll”, lembra a artista Ida Feldman, que guarda um bracelete com uma caveirinha feito pela amiga. A originalidade da ourives, nascida em Santo André, cativou uma clientela ampla, que incluiu, por exemplo, o estilista Dudu Bertholini. “Ela também criou itens para a novela A Viagem (1994) e para o remake de Pecado Capital (1998)”, recorda o produtor cultural Heitor Werneck.

Charlotte em show de rock (Acervo Ida Feldman/Divulgação)

O sucesso não foi suficiente para cravar o nome de Charlotte na posteridade. Com registros breves na internet e em catálogos de exposições, sua trajetória é uma colcha de retalhos, tecida por meio de relatos de colegas e familiares. “Charlotte amava as bandas Sonic Youth e The Exploited”, conta o designer José Alfredo de Barros, companheiro de baladas. “Ela não se categorizava. Para as pessoas transexuais e todo mundo, seu legado consiste na crença de que devemos estar onde quisermos”, diz a publicitária Neon Cunha, que ajudou Charlotte a criar o logo do Vulcano, ateliê da profissional em Santa Cecília.

Uma das criações da joalheira (Acervo Ricardo Maluf/Divulgação)

“Ela acordava cedo e ia logo para lá”, afirma o fotógrafo Celso Tavares. O jornalista Ricardo Maluf é quem arremata o perfil, dando um toque imaginativo à figura da tia, conhecida pelo sorriso aberto e pelo humor: “Da fase em que Charlotte ficou fora do Brasil, tinha uma história de ela buscar pedras preciosas na África, no lombo de um elefante”.

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe semanalmente Veja SP* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de São Paulo

a partir de R$ 39,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.