Imagem Blog

Filmes e Séries - Por Mattheus Goto

Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
Um guia com críticas, notícias, entrevistas e eventos sobre as estreias da semana no cinema e no streaming
Continua após publicidade

Documentário de Dorival Caymmi traz entrevista inédita e gravações antigas

Dirigido por Daniela Broitman, longa conta com relatos de Gilberto Gil e Caetano Veloso

Por Laura Pereira Lima
19 abr 2024, 06h00

Dorival Caymmi — Um Homem de Afetos estreia na quinta-feira (25), no mês em que o cantor baiano completaria 110 anos. Dirigido por Daniela Broitman, o longa documental aborda os diversos âmbitos da vida do compositor, desde a relação com os filhos e com a mulher — com quem foi casado por mais de 60 anos, apesar das traições —, até a espiritualidade e o alcoolismo.

As histórias por trás de músicas consagradas são reveladas na obra, que conta a trajetória de Caymmi a partir de entrevistas com admiradores, como Gilberto Gil e Caetano Veloso, e membros da família. Um dos destaques é o testemunho de Cristiane de Oliveira, cozinheira e confidente de Caymmi que o acompanhou nos últimos momentos de vida.

caetano-veloso-dorival-caymmi-doc
Caetano Veloso em ‘Dorival Caymmi-Um Homem de Afetos’ (Desirée do Vale/Divulgação)
dorival-caymmi-doc-gilberto-gil
Gilberto Gil em ‘Dorival Caymmi-Um Homem de Afetos’ (Desirée do Valle/Divulgação)

Gravações antigas cedidas por Dora Jobim e uma entrevista nunca antes divulgada intercalam os depoimentos. Alguns trechos de entrevistas que não entraram na versão final do filme podem ser vistos nas páginas do Instagram e do Facebook do filme.

“Desde pequena ouvia minha avó cantarolando músicas do Caymmi, e elas passaram a fazer parte da minha memória afetiva”, relembra Daniela, que incluiu canções como É doce morrer no mar, Sábado em Copacabana e Marina na trilha sonora do documentário.

Continua após a publicidade
daniela-broitman-dorival-caymmi
A diretora Daniela Broitman (Desirée do Valle/Divulgação)

A diretora, roteirista e produtora defende a importância do olhar feminino nas produções audiovisuais. “O meio musical sempre foi muito masculino, assim como o cinema”, diz. O longa foi finalizado em 2020, mas, por causa da pandemia, só entrará no circuito comercial este ano. Apesar disso, ela não se deixa chatear pelo atraso: “Caymmi é atemporal, e isso fez com que o filme também o fosse”.

Publicado em VEJA São Paulo de 19 de abril de 2024, edição nº 2889

Compartilhe essa matéria via:
Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe semanalmente Veja SP* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de São Paulo

a partir de 49,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.