Imagem Blog

Filmes e Séries - Por Barbara Demerov

Aqui você encontra críticas, entrevistas e as principais novidades sobre o mundo do cinema e do streaming
Continua após publicidade

Estreia animação brasileira inspirada em universo de Tarsila do Amaral

Celia Catunda e Kiko Mistrorigo, diretores de Tarsilinha, disseram em entrevista à Vejinha que buscam "fazer entretenimento com conteúdo"

Por Barbara Demerov
Atualizado em 25 mar 2022, 16h36 - Publicado em 18 mar 2022, 06h00

✪✪✪ A animação Tarsilinha, dirigida por Celia Catunda e Kiko Mistrorigo, está em cartaz nos cinemas. A protagonista-título é uma garota de 8 anos que embarca em uma jornada para recuperar as lembranças de sua mãe, que foram roubadas pela Cigarra. Para isso, precisa encontrar objetos especiais de uma caixa que pertence a ela.

+ Netflix anuncia testes de cobrança adicional para quem compartilha a conta

A jovem protagonista precisará de coragem para enfrentar seus medos e superar desafios inesperados. Personagens como a Cuca, o sapo e até mesmo o saci-Pererê cruzam seu caminho, enquanto o pano de fundo visual é preenchido pelas formas e cores da artista Tarsila do Amaral, a mais representativa da primeira fase do movimento modernista brasileiro.

À Vejinha, os diretores falam sobre a abordagem do longa, uma vez que não é uma biografia, e sim uma história inspirada em suas principais obras.

Continua após a publicidade

“Queríamos fazer entretenimento com bastante conteúdo. No Brasil, existe certo preconceito com entretenimento educativo, como se fosse uma coisa chata. Com Peixonauta e O Show da Luna! (outros trabalhos da dupla) nós sempre fazemos pensando que a animação precisa ser agradável de assistir. Com Tarsilinha, eliminamos de cara a possibilidade de um filme histórico, biográfico. A ideia era fazer uma aventura com envolvimento emocional”, diz Mistrorigo.

“O segundo pilar é o tema da memória. Principalmente dentro do contexto do modernismo e do contexto atual, da importância da nossa história. A memória está ligada à nossa cultura, que está sofrendo bastante atualmente”, completa Celia.

+Assine a Vejinha a partir de 12,90. 

Continua após a publicidade

Publicado em VEJA São Paulo de 23 de março de 2022, edição nº 2781

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe semanalmente Veja SP* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de São Paulo

a partir de R$ 39,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.