Imagem Blog

A Tal Felicidade

Saúde, bem estar e alegria para os paulistanos
Continua após publicidade

Como o vedanta influencia na busca e no entendimento da felicidade

Dedicado à cultura milenar indiana, Jonas Masetti explica que a felicidade é a nossa natureza essencial e as circunstâncias da vida se tornam secundárias

Por Jonas Masetti
1 mar 2024, 06h00

Desde que comecei a minha jornada no vedanta, a percepção que tenho sobre a felicidade e o autoconhecimento mudou radicalmente. Assim como praticamente todos nós, cresci em um ambiente onde a definição do que é ser feliz está associada a uma recompensa externa, ligada a realizações materiais ou status.

É nesse sentido que essa cultura milenar indiana abriu meus olhos para uma verdade mais profunda: esse sentimento, na verdade, é um estado do ser. Ou seja, não se trata de algo simplesmente que se opõe à tristeza, em que objetos ou situações podem fazer uma pessoa transitar entre dois estados de espírito fechados. Consequentemente, também vai além dos papéis que desempenhamos na sociedade e do que essas “funções” têm a nos oferecer.

Vamos pegar um exemplo simples para esclarecer a ideia: imagine indivíduos que estão compartilhando o mesmo espaço e circunstâncias. Eles vivem o mesmo momento, mas não necessariamente possuem emoções parecidas. Isso mostra que a felicidade verdadeira vem de dentro, de um entendimento mais profundo sobre quem realmente somos.

Quando alcançamos esse equilíbrio mental e espiritual passamos a ser livres para experienciar todas as emoções, mas sem nos sentir aprisionados por elas. Inclusive, é uma forma de combatermos a famosa síndrome do impostor, que muitos de nós experimentamos ao duvidar de nossas conquistas ou capacidades.

O vedanta ensina que essas limitações autoimpostas são apenas ilusões. Na verdade, quando compreendemos que a felicidade é a nossa natureza essencial, as circunstâncias da vida se tornam secundárias e passamos a ter mais consciência de cada passo que queremos dar em direção ao bem-estar pessoal.

Continua após a publicidade

É um cenário em que há uma visão clara dos nossos valores, metas e prioridades. E, a partir do momento que cultivamos uma motivação própria para lidar com situações estressantes e de pressão, por exemplo, as decisões tomadas tornam-se menos impulsivas. Assim, a pessoa consegue estabelecer um alicerce sólido do que ela precisa aprimorar dentro de si para evitar arrependimentos e garantir a sua plenitude.

Além disso, a cultura védica se caracteriza por sua universalidade e relevância incondicional. Ela não se dirige exclusivamente a monges em busca de iluminação ou empresários em busca de paz interior. É um chamado para todos que estão dispostos a questionar e, talvez, abandonar temporariamente seus papéis sociais em busca de algo real.

A beleza dessa sabedoria está na liberdade que ela oferece: a liberdade de nos despirmos de identidades limitadas e, quando estivermos prontos, vesti-las novamente, mas com a plena consciência de que somos, em essência, seres de pura felicidade.

Jonas Masetti (@jonasmasetti) ensina vedanta, sânscrito, mantras e outros temas relacionados à tradição védica. Fundador do Vishva Vidya, foi reconhecido embaixador da cultura védica pelo primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi
Jonas Masetti (@jonasmasetti) ensina vedanta, sânscrito, mantras e outros temas relacionados à tradição védica. Fundador do Vishva Vidya, foi reconhecido embaixador da cultura védica pelo primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi (Divulgação/Divulgação)

Refletindo sobre minha própria história, percebo que o maior presente que o vedanta me deu foi a clareza de que, não importa quão turbulenta possa ser a superfície da vida, há sempre uma via de como ser feliz dentro de cada um de nós, esperando para ser reconhecida e percorrida plenamente.

Independentemente dos altos e baixos de rotinas corridas, essa é uma perspectiva livre de sofrimento e disponível para todos, a qualquer momento das suas histórias.

A curadoria dos autores convidados para esta seção é feita por Helena Galante. Para sugerir um tema ou autor, escreva para hgalante@abril.com.br.

Publicado em VEJA São Paulo de 1º de março de 2024, edição nº 2.882.

Compartilhe essa matéria via:
Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe semanalmente Veja SP* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de São Paulo

a partir de R$ 39,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.