Imagem Blog

A Tal Felicidade

Saúde, bem estar e alegria para os paulistanos
Continua após publicidade

Momentos sabáticos

Marcelo Rondon, estudioso das relações humanas, mentor de carreira e consultor de empresas, lembra o que seu avô lhe ensinou

Por Marcelo Rondon, em depoimento a Helena Galante
10 mar 2023, 06h00

Meu avô Waldemar tinha uma memória muito boa. Sempre me lembro da riqueza de detalhes com que ele me contava sobre os fatos de sua vida. Eram histórias que me entretinham, em especial quando estávamos na praia, em Peruíbe, jantando ou sentados na varanda.

+ Os bastidores do sucesso de Fabi Bang e Myra Ruiz, estrelas de ‘Wicked’

Contava de sua juventude na Lapa, os casos envolvendo a Portuguesa, seu time do coração, e muitas piadas, das quais infelizmente me lembro apenas de uma pequena parte.

Hoje questiono se, além de ter boa memória, meu avô efetivamente estava presente em cada situação, sem distrações, sem rouba-tempos, atento a cada instante. Ele guardava tantos detalhes porque efetivamente absorveu cada momento, cada experiência, cada emoção.

Continua após a publicidade

Penso muito em meu avô quando falo de sabático, pois, na minha opinião, podemos ter vários pequenos momentos ou atitudes sabáticas em nosso dia a dia.

Essas vivências e histórias despertaram em mim o desejo de escrever um livro, cujo título por enquanto é Momentos Sabáticos. Como dar o pontapé inicial estava difícil, decidi passar três dias sozinho em um pequeno chalé na cidade de Joanópolis (SP) com o intuito de escrever o que viesse, porém sem expectativas, apenas disponível.

Foram dias em que aprendi algumas lições.

Continua após a publicidade

Aceitar o que a vida nos manda. No primeiro dia, após chegar e reconhecer o lugar, com direito a uma caminhada e banho de cachoeira, comecei a escrever. Estava em um bom fluxo quando começou uma tempestade e a energia elétrica foi cortada por volta de 15 horas. A bateria do computador durou cerca de mais uma hora e depois morreu.

Parti para a leitura por mais um período até que escureceu. Jantei e fui dormir, ainda sem luz. Há alguns anos, essa situação me deixaria nervoso, aflito e agoniado. Nesse dia pude entender como a vida é perfeita e nos envia o necessário, que, naquele momento, era uma pausa.

Nos dois dias seguintes consegui escrever bem mais do que esperava e sobre temas que não havia planejado. coincidência? Será?

Continua após a publicidade

Desafie o automático. Nossa mente está cheia de crenças e ações que fazemos de forma automática, sem refletir. Desde ser despertado pelo celular literalmente em mãos poucos segundos após abrirmos os olhos; de tentar fazer diversas atividades ao mesmo tempo; de julgar sem saber os fatos; de precisar pesquisar um tema na internet, pegar o celular e passar vários minutos fazendo outras coisas, menos aquela que precisava.

Enfim, cada um pode fazer o exercício de refletir sobre suas ações automáticas. No meu caso, aproveitei para desafiá-las nos últimos dias. de maneira consciente, sempre que o instinto de fazer algo se apresentava, eu refletia se era aquilo que precisava fazer naquele momento, antes de tomar qualquer ação.

Vou tentar implementar esse novo modelo mental, mas já adianto que gostei dos resultados nesse primeiro período, com diminuição de ansiedade, mais foco e melhores resultados no que havia efetivamente me proposto a fazer, mesmo que fosse não fazer nada.

Continua após a publicidade

Fazer uma coisa por vez. estar em um ambiente mais tranquilo reforçou em mim que, quando focamos em uma atividade, sem distrações, nosso tempo rende mais, temos a sensação de dever cumprido, de ser útil, além de aproveitarmos momentos de lazer, hobbies, família ou outras atividades que se tornam até mais prazerosas, pois estamos efetivamente presentes em cada uma delas.

Meu segundo grande desafio será manter essa mentalidade no retorno a São Paulo, onde o próprio ambiente nos empurra para a rapidez, para ser multitarefa, para a correria. fica aqui uma reflexão: como não deixar o ambiente externo contaminar nosso estado interno? É possível?

É, vô, o senhor deixou muitos ensinamentos que estavam bem ali, na minha frente, mas que só consegui ver agora. Obrigado por ainda ter tempo de colocá-los em prática!

Continua após a publicidade
Imagem mostra homem barbudo sorrindo
Marcelo Rondon (@rondon1) é um estudioso das relações humanas, mentor de carreira e consultor de empresas, com foco em treinamento humanizado de lideranças e segurança psicológica. (Divulgação/Divulgação)

A curadoria dos autores convidados para esta seção é feita por Helena Galante. Para sugerir um tema ou autor, escreva para hgalante@abril.com.br.

+Assine a Vejinha a partir de 9,90. 

Publicado em VEJA São Paulo de 15 de março de 2023, edição nº 2832

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe semanalmente Veja SP* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de São Paulo

a partir de R$ 39,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.