Imagem Blog

Arte ao Redor

Uma curadoria de exposições, cursos e novidades dos museus, galerias e institutos culturais de São Paulo
Continua após publicidade

Colmeias viram matéria-prima para obras de arte

Carioca utilizou um ferro de solda para "moldar" a morada dos insetos um tanto temidos por suas picadas

Por Tatiane de Assis Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 28 jul 2020, 18h02 - Publicado em 28 jul 2020, 11h44

Ricardo Siri, de 46 anos, é um artista multidisciplinar que tem produzido obras com colmeias de abelhas. “Tinha na cabeça que elas eram perigosas, mas estudando vi que grande parte das 300 espécies nativas do Brasil não tem ferrão, diferente das que vieram importadas da África e da Europa”, conta o carioca.

Ele se encantou tanto pelos insetos que tem até colmeias em sua casa. Contudo, as que usou na obra Pindorama (2020), por exemplo, não saíram de seu quintal, porque são de abelhas com ferrão. O artista prefere as espécies nativas, que não machucam, e são do tipo Jataí, Iraí e Mandassaia.

Pindorama Abelhas
Pindorama (2020): obra de Ricardo Siri (Débora Engel/Divulgação)

Em Pindorama (2020), com 46 centímetros de largura e 17 centímetros de altura, Siri usou um ferro de solda para intervir no material. “Foi muito duro o processo, o cheiro forte, a demolição dos hexágonos, que são perfeitos, tudo isso me impactou”, afirma o artista, que oferece no trabalho uma visão pessimista da relação entre natureza e homem. Esse ponto de vista se repete também em outros três trabalhos, como War II, Pindorama em Brasa e Mapa Mundo, também de 2020.

+Assine a Vejinha a partir de 6,90

Continua após a publicidade

Um alívio vem, no entanto, quando o carioca fala do cotidiano: “Moramos no bairro de Santa Teresa, em uma casa grande com horta. Temos aqui nossos ateliês e o pensatório, um espaço com redes, onde conversamos sobre sobre o que a gente tem lido. Sou hoje um mix entre música, artes plásticas e arte.” Ainda sobre sua morada, ele adiciona: “Temos também muitas galinhas. O trio mais conhecido é a Bel, a Mel e a Cleo. Essa última é uma homenagem a Cléopatra, porque ela tem uns riscos debaixo dos olhos.”

A referência à música vale ser pormenorizada: “Ela me acompanha desde a adolescência. Trabalhei como percussionista por muito tempo. Com o casamento com Débora (Engel, também artista), é que me voltei para a escultura sonora, objetos e fotografias.”

View this post on Instagram

PINDORAMA. Escultura em parceria com as abelhas Abertura dia 19 Março Janaína Torres Galeria SP @janainatorresgaleria @sirinow @siri.estudio

A post shared by Ricardo Siri (@siri.estudio) on

Nesse hiato de exposições, Siri também aderiu aos eventos virtuais e por meio de sua galeria, a Janaina Torres, participa do Arte em Quarentena, espécie de feira de arte virtual, focada na produção durante o isolamento, que acontece entre o dia 27 e o dia 2, na plataforma artsoul.com.br.

Continua após a publicidade
View this post on Instagram

war, pindorama, ilhas e mapa mudo da série quadro de abelhas Visite tour virtual expo 360° em: siri.arteref.com @janainatorresgaleria @siri.estudio @sirinow

A post shared by Ricardo Siri (@siri.estudio) on

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe semanalmente Veja SP* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de São Paulo

a partir de R$ 39,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.