Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Penha terá complexo de transporte com paradas do Metrô e da CPTM

Obra prevê melhor conectividade nas viagens de passageiros, acessos mais rápidos para outras regiões e teve de tirar do lugar um córrego e uma linha de trem

Por Clayton Freitas Atualizado em 26 Maio 2022, 21h40 - Publicado em 27 Maio 2022, 06h00

Um dos projetos mais complexos do Metrô de São Paulo está acontecendo na região da Penha (Zona Leste), que atualmente conta somente com a parada da Linha 3 – Vermelha. Até 2026, o local deve receber outras duas estações, a da Linha 2 – Verde e também a da 11 – Coral da CPTM.

+ Trem da CPTM circula com porta aberta durante três estações

A justificativa é oferecer uma melhor conectividade nas viagens dos passageiros e acessos mais rápidos e fáceis para outras regiões da cidade. A lógica é a seguinte: com a nova parada da Linha 11 – Coral, que atualmente só tem estações em Itaquera e Tatuapé, será possível a moradores do extremo leste acessar a futura extensão da Linha 2 – Verde e, com isso, chegar à região da Avenida Paulista e à Zona Oeste muito mais rápido do que ocorre atualmente.

Da mesma forma, os passageiros da Linha 3 – Vermelha não precisarão ir até a para fazer baldeação via Linha 1 – Azul até a Estação Paraíso, e somente ali acessar a Linha 2 – Verde para ir a algum ponto da região da Paulista.

O projeto inicial do complexo Penha, em contrato assinado em 2014, era de 290 milhões de reais, porém a obra só saiu do papel em 2020. Corrigidos, os valores ultrapassam os 600 milhões hoje. No total, a previsão de investimentos para a expansão da Linha 2 – Verde, que prevê abrir 8 quilômetros de túneis e oito estações, é de cerca de 9 bilhões de reais.

+ Jovem sofre tentativa de assalto e leva facada na estação Trianon-Masp

Para fazer as obras do complexo Penha está sendo executado um grande projeto de engenharia que inclui o desvio temporário de um córrego e também a mudança de traçado de cerca de 200 metros dos trilhos da Linha 11 – Coral para 30 metros de onde está hoje.

O córrego é o Rincão, afluente do Rio Aricanduva, um dos principais veios de água da cidade. Em uma obra que demorou três meses, foi construído um desvio em forma de talude, de 7 metros de altura por 5 de largura, para que toda a água que passava no trecho original desse uma volta no terreno.

O projeto do complexo Penha prevê que as estações fiquem próximas umas das outras e que também haja acesso ao terminal de ônibus na mesma área. Para isso, foi feita uma manobra que consiste em desviar as águas para um talude
O projeto do complexo Penha prevê que as estações fiquem próximas umas das outras e que também haja acesso ao terminal de ônibus na mesma área. Para isso, foi feita uma manobra que consiste em desviar as águas para um talude Wanezza Soares/Reprodução

No local que o córrego ocupava está sendo feito justamente o principal acesso dos trens da Linha 2 – Verde que chegarão à futura estação, só que a cerca de 30 metros de profundidade do nível do solo. Ao mesmo tempo, está sendo construído um canal de concreto. Ele servirá para devolver o curso do córrego ao seu traçado natural quando a estação ficar pronta.

Canal de concreto onde passará o córrego: em cima da Estação Penha
Canal de concreto onde passará o córrego: em cima da Estação Penha Wanezza Soares/Reprodução

+ Idoso de 80 anos morre após explosão de gás na Zona Leste de São Paulo

Continua após a publicidade

Ou seja, quando estiverem saindo dos trens e caminhando rumo a uma das trinta escadas rolantes para deixar a estação, os passageiros nem imaginarão que por cima da cabeça deles estarão passando milhões de litros de água do córrego. “Nunca ocorreu uma obra desse porte. É bastante complexa”, diz Paulo Galli, secretário de Transportes Metropolitanos.

Quem comanda o projeto é o engenheiro Arlindo José Giampá, de 75 anos, 47 deles prestando serviço ao Metrô. “Não corre o risco de alagar, pode ficar tranquilo”, já se adianta, antes mesmo de ser questionado pelo repórter.

Arlindo José Giampá, 75 anos, 47 no Metrô: chefe da empreitada
Arlindo José Giampá, 75 anos, 47 no Metrô: chefe da empreitada Wanezza Soares/Reprodução

No total, a nova Estação Penha da Linha 2 – Verde terá 17 500 metros quadrados, 24% a mais do que os 13 200 da Estação da Luz. Todo esse espaço será necessário para acessar os cinco níveis diferentes, entre acessos, mezaninos e plataformas.

+ Felipe Neto entra na treta entre Paola Carosella e bolsonaristas

Já a nova estação da Linha 11 – Coral terá 7 000 metros quadrados e 12 metros de profundidade. Será necessário fazê-la abaixo do solo para facilitar o acesso dos passageiros das duas linhas de metrô. Giampá explica que não será preciso interromper o fluxo da Linha 11 – Coral para que a obra seja concluída. Isso porque um trecho de uma rua que corre em paralelo, a Alvinópolis, mais conhecida na região pelo apelido de Radialzinha, foi interditado. No que antes era asfalto, serão instalados trilhos e dormentes provisórios para que o trem passe até que a estação esteja pronta.

As mudanças no entorno para que a grande obra pudesse ser feita não agradaram a algumas pessoas que trabalham por lá, usuários do terminal de ônibus e moradores. É o caso do taxista Reinaldo Justino da Silva, de 44 anos, coordenador de um ponto que ficava justamente na Rua Alvinópolis, na saída da escada rolante da Linha 3 – Vermelha, que teve de ocupar o outro lado da estação, a cerca de 300 metros do local original.

Taxista Reinaldo ao lado de seu carro
Taxista Reinaldo: ponto foi mudado para muito longe da estação Wanezza Soares/Reprodução

“É claro que ninguém vai andar tanto para procurar táxi. Já tivemos prejuízo com a pandemia. Agora, então, piorou ainda mais”, afirma.

+Assine a Vejinha a partir de 12,90. 

Publicado em VEJA São Paulo de 1 de junho de 2022, edição nº 2791

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Para entender e curtir o melhor de SP, Veja São Paulo. Assine e continue lendo.

Impressa + Digital

Plano completo da VejaSP! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas de São Paulo.

Receba semanalmente VejaSP impressa mais acesso imediato às edições digitais no App Veja, para celular e tablet.

a partir de R$ 19,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas de São Paulo.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)