Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Número de roubos em Moema cresce 51% de janeiro a julho de 2021

Comparação considerou o mesmo período de 2019, que teve 501 roubos em contraste com os 757 roubos de 2021

Por Redação VEJA São Paulo Atualizado em 9 set 2021, 16h37 - Publicado em 9 set 2021, 14h40

O número de roubos no bairro Moema, na Zona Sul da capital paulista, aumentou 51% nos sete primeiros meses de 2021 em relação ao mesmo período de 2019, de acordo com a Secretaria de Segurança Pública. As informações são do G1.

Foram 501 roubos de janeiro a julho de 2019 e 757 no mesmo período de 2021. Em 2020, este número foi de 618 roubos no período.

Os furtos também subiram em relação ao ano passado. Entre janeiro e julho de 2020, foram 952. No mesmo período deste ano, 1.253, alta de 31%.

Um dos casos aconteceu no feriado prolongado, quando bandidos invadiram uma loja de bicicletas do bairro e levaram praticamente tudo, causando um prejuízo de mais de R$ 1 milhão.

O proprietário da loja, Bruno Soares, acredita que crime tenha ocorrido na madrugada de domingo (5) para segunda (6), já que os ladrões levaram até mesmo as câmeras e o sistema de gravação.

Quase tudo foi levado. Ferramentas, roupas, capacetes, relógios e 60 bicicletas.

Depois do furto, o Marco Túlio, que é dono de uma barbearia na mesma rua, está preocupado. Ele trabalha no bairro há um ano e tinha a sensação de que era tranquilo. “Até isso acontecer, a gente se sentia super seguro. A gente redobra a atenção. A gente já conversou com o pessoal aqui, os barbeiros, a gente fica mais atento, já está fazendo mais uma manutenção de câmera para dar uma melhorada no nosso sistema. Então, assim, a gente fica um pouco mais de antena alerta”, afirma ao G1.

Continua após a publicidade

Roubo no pet shop

No começo do mês passado, um homem e uma mulher furtaram um casal de calopsitas de um pet shop em Moema. As imagens mostram os criminosos nos corredores da loja. Uma das aves ainda tenta fugir, mas o homem pega o pássaro do chão, coloca na mochila da mulher e depois fecha. Os dois saem correndo e fogem em um carro prata.

Há algumas semanas, a associação de moradores do bairro colocou faixas em várias ruas para que moradores fiquem atentos aos possíveis roubos e assaltos. Também é uma tentativa de intimidar os ladrões.

A presidente da associação de moradores de Moema, Simone Boacnin, conta que esse aumento da violência atrapalha até a rotina dos moradores.

“A gente tem bastante furto de celular, roubo, as pessoas estão andando na rua com o celular na mão e são assaltadas. O que está acontecendo é as pessoas estão com medo de descer e caminhar e aproveitar o bairro, ainda mais agora que a gente está em uma fase dos protocolos sanitários um pouco mais abertos. Até para que a gente possa vivenciar o bairro, a gente percebe que as pessoas estão com bastante receio de descer e aproveitar aquele bairro tão lindo”, afirma.

A Secretaria da Segurança Pública (SSP) diz que o o furto à loja de bicicletas está sendo investigado e informa que a outra delegacia que cuida do bairro teve queda nos furtos e roubos nos primeiros sete meses deste ano, em relação ao mesmo período do ano passado.

LEIA MAIS | De balada a Fórmula 1, São Paulo prepara retomada gradual

+Assine a Vejinha a partir de 8,90.

  • Continua após a publicidade
    Publicidade