Continua após publicidade

Mulher cai em golpe e perde R$ 208 mil achando que namorava Johnny Depp

A moradora de Osasco alegou ter vendido um carro e uma casa para ajudar o homem que se passava pelo ator

Por Redação VEJA São Paulo Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 27 Maio 2024, 21h28 - Publicado em 4 out 2022, 18h31

Uma mulher aposentada, de 61 anos, acreditou estar namorando o ator Johnny Depp e perdeu R$ 208,4 mil. A moradora de Osasco, São Paulo, começou a trocar mensagens com um perfil falso do artista no Instagram em 2020. As informações são do colunista Rogério Gentile, do UOL.

+ Gisele Bündchen e Tom Brady dão início a processo de divórcio, diz site

Ela e o golpista começaram a trocar mensagens e as conversas evoluíram de assuntos do dia a dia para “uma história triste de que [o golpista] precisava de dinheiro para o pagamento de condenações em processos nos quais ele estava envolvido”. Na época, o ator ainda respondia ao processo de violência doméstica por Amber Heard, do qual foi inocentado em junho.

Assim, o suposto famoso começou a pedir ajuda financeira. Acreditando ter criado um laço com Depp, a aposentada transferiu quantias de R$ 15 mil, R$ 40,4 mil e R$ 153 mil entre 30 de novembro de 2020 e 7 de dezembro do mesmo ano.

Continua após a publicidade

Quem percebeu o golpe foi seu filho, que notou algo estranho nas transferências. A mulher entrou com uma ação contra o Banco do Brasil alegando que a instituição permitiu que o golpista abrisse uma conta fraudulenta. Segundo ela, “houve nítida negligência do banco” e uma “falta de manutenção e fiscalização”.

Em sua defesa, a advogada disse que o falso Johnny Depp fez promessas de levá-la para morar nos Estados Unidos. A paulista alegou ter vendido um carro e uma casa para ajudar o homem que se passava pelo ator.

A juíza Clarissa Alves, responsável pelo caso, rejeitou as acusações. A mulher poderá recorrer.

Continua após a publicidade

O BB se defendeu afirmando que a aposentada fez as transferências por “livre e espontânea vontade” e que “o prejuízo não foi causado pelo banco, mas em razão de acontecimentos que escapam ao seu poder”.

+ Assine a Vejinha a partir de 9,90.

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe semanalmente Veja SP* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de São Paulo

a partir de R$ 39,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.