Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Os “bunkers” da Avenida 23 de Maio

Prefeitura instala caixas de concreto com tampas pesadas para inibir roubos

Por Sérgio Quintella Atualizado em 7 jan 2022, 13h06 - Publicado em 7 jan 2022, 06h00

Quem passa pela Avenida 23 de Maio, uma das mais movimentadas da metrópole, desde o centro até o Ibirapuera, depara com dezenas de paredões coloridos, cobertos não de tinta, mas de samambaias, agapantos azuis, vedélias e iresines.

Ao todo, são 10 000 metros quadrados de jardins suspensos, o equivalente a 2,4 quilômetros lineares. Por mês, a prefeitura gasta pouco mais de 142 000 reais para manter o parque vegetal, composto de mais de 654 000 mudas, reluzente e aparado.

+ Janeiro de boa música: confira a programação musical de férias do Sesc-SP 

Imagem mostra homem de camiseta laranja trancando porta verde com grades de segurança.
Estruturas reforçadas. Alexandre Battibugli/Veja SP

Mas nem sempre foi assim. Depois que o então prefeito João Doria inaugurou o corredor verde, em substituição aos grafites que existiam no pedaço, em 2017, a empresa que faria sua manutenção não conseguiu seguir com o acordo de cooperação (ela faria os trabalhos de forma gratuita) e os jardins ficaram abandonados.

De verde, o local voltou a ficar cinza, com mudas secas e mortas. À falta de cuidado se somaram sucessivos furtos de equipamentos e máquinas encarregados da manutenção, da irrigação à iluminação. Vejinha mostrou em 2018 o estado de abandono dos painéis.

Imagem mostra paredão sem plantas.
Imagem de 2018: onda de furtos e abandono. Sérgio Quintella/Veja SP

+Assine a Vejinha a partir de 12,90.

Para conter a ação dos ladrões, a prefeitura precisou instalar nove caixas de concreto, chamadas de estações de irrigação, cujas tampas pesam mais de 1 tonelada e só são levantadas com o auxílio de máquinas. Embaixo desse peso todo ficam as bombas e os cabos, alvos preferidos dos furtadores.

Continua após a publicidade

Imagem mostra avenida com paredões verdes com jardins suspensos de ambos os lados.
Vista aérea do corredor verde: 142 000 reais por mês. Alexandre Battibugli/Veja SP

Em um outro espaço, próximo ao Viaduto Beneficência Portuguesa, a Secretaria de Subprefeituras, encarregada pela reforma e manutenção do jardim, construiu uma estrutura maior, também blindada, que abriga uma área de escritório e descanso para os funcionários.

Imagem mostra sala escura com utensílios, mesas e cadeiras.
Área de escritório. Alexandre Battibugli/Veja SP

Ali, ficam os painéis encarregados de programar a rega do jardim vertical, geralmente ocorrida à noite. De concreto reforçado do chão ao teto, além de uma porta de ferro grosso, o espaço sofreu tentativas de invasão durante a madrugada, mas os ladrões não conseguiram entrar. Até agora, os “bunkers” têm funcionado.

Imagem mostra homens de uniforme laranja e amarelo, em escadas, podando plantas de paredão.
Funcionários trabalham na poda: 654 000 mudas. Alexandre Battibugli/Veja SP

+Assine a Vejinha a partir de 12,90.

Publicado em VEJA São Paulo de 12 de janeiro de 2022, edição nº 2771

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Para entender e curtir o melhor de SP, Veja São Paulo. Assine e continue lendo.

Impressa + Digital

Plano completo da VejaSP! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas de São Paulo.

Receba semanalmente VejaSP impressa mais acesso imediato às edições digitais no App Veja, para celular e tablet.

a partir de R$ 19,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas de São Paulo.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)