Continua após publicidade

Manifestação em defesa de Marcelinho acontece no DHPP na sexta (16)

Ato está sendo convocado via Facebook; casa dos PMs tem mais pichações

Por Redação Veja São Paulo
Atualizado em 5 dez 2016, 15h43 - Publicado em 15 ago 2013, 18h01

Os organizadores da página do Facebook Não foi o Marcelo Eduardo Bovo Pesseghini convocaram para esta sexta (16) um ato em defesa do garoto. Será às 18 horas em frente ao Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), no bairro da Luz, na região central de São Paulo. Até agora, são pouco mais de 360 confirmados e mais de 6 mil convidados para a manifestação. Mas a página, criada no último dia 7, já tem mais de 23 mil seguidores. 

Nas redes sociais, as pessoas continuam duvidando da principal linha de investigação da polícia, que é a de que o menino Marcelinho, de 13 anos, teria matado os pais, a avó, a tia e depois se suicidado. O Facebook do colégio onde ele estudava, o Stella Rodrigues, na Freguesia do Ó, também está repleto de mensagens solidárias ao garoto. Diretora, professores e alunos da escola não se pronunciam sobre o ocorrido. Em frente à instituição, na Rua Professor João Machado, um muro está pichado com os dizeres “Marcelinho inocente”. 

 

A mesma frase também foi escrita na Rua Dom Sebastião, na Brasilândia, onde a família morava. A casa, que já estava pichada desde a manhã seguinte à descoberta do crime com a frase “Que a verdade seja dita”, agora está tomada por riscos, símbolos e letras ininteligíveis. O portão branco da entrada também foi forçado – os vizinhos não sabem precisar se foi uma tentativa de invasão ou se já estava assim. 

Até agora, 29 pessoas prestaram depoimento à polícia sobre o caso. É esperado para sexta o resultado de pelo menos um dos cinco laudos periciais que podem confirmar a autoria do crime e o horário das mortes. 

Continua após a publicidade

Caso

Luis Marcelo Pesseghini pertencia à Rota (Rondas Ostensivas Tobias de Aguiar) e sua mulher, Andréia Regina Bovo Pesseghini, era cabo da PM. O casal e o filho, Marcelo Eduardo Bovo Pesseghini, foram encontrados mortos por disparo de arma de fogo na sala de casa. Segundo a Secretaria de Segurança Pública (SSP), um revólver .40 foi achado na mão esquerda do menino, sob o seu corpo.

 

Em uma outra casa, no mesmo terreno, a mãe de Andréia, Benedita Oliveira Bovo, e sua tia, Bernadete Oliveira da Silva, foram encontradas mortas em camas diferentes, mas no mesmo quarto. Na garagem havia uma mochila com uma faca, uma pistola 32 e outros objetos.De acordo com a SSP, uma vizinha teria estranhado o fato da casa estar aberta, com as luzes acesas e ninguém atender. Por isso, chamou a polícia.

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Para curtir o melhor de São Paulo!
Receba VEJA e VEJA SP impressas e tenha acesso digital a todos os títulos Abril.
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe semanalmente Veja SP* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de São Paulo

a partir de R$ 39,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.