Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Mancha Verde é a grande campeã do Carnaval 2022 em São Paulo

Agremiação levou para avenida o samba-enredo "Planeta Água",  inspirado na música de Guilherme Arantes

Por Redação VEJA São Paulo Atualizado em 26 abr 2022, 18h52 - Publicado em 26 abr 2022, 18h26

A Mancha Verde é a grande vencedora do Carnaval 2022 na cidade de São Paulo. A agremiação levou para avenida o samba-enredo “Planeta Água”,  inspirado na música de Guilherme Arantes, e teve 269,9 de nota final.

+CET quer ampliar faixa de motos para o corredor Norte-Sul

Outras três escolas obtiveram as mesmas notas: Mocidade Alegre, Império da Casa Verde e Tom Maior, porém, ficaram atrás nos critérios de desempate.

Do outro lado da ponta, Colorado do Brás e Vai-Vai, ambas com 269,1 pontos, foram rebaixadas e devem desfilar no Grupo de Acesso no Carnaval de 2023.

Esta foi a segunda vez que a Mancha venceu o Grupo Especial do Carnaval de São Paulo. A primeira foi em 2019. Em 2020, a escola foi vice-campeã.

+Vídeo antigo de Arthur Aguiar em programa da Xuxa viraliza nas redes

As agremiações desfilaram no último final de semana no Sambódromo do Anhembi, nos dias 23 (sexta) e 24 (sábado), depois de dois anos longe da passarela devido à pandemia. A alta de casos foi o motivo pelo qual os desfiles foram adiados neste ano.

Continua após a publicidade

A Mancha foi a terceira escola a desfilar no sábado (23).

A vitória tem um gosto de superação para a Mancha. Isso porque mesmo antes de entrar na avenida, o braço de uma das esculturas quebrou. Os integrantes tiveram de reparar o problema às pressas, o que gerou um atraso de sete minutos para que a escola entrasse na avenida. Apesar disso, a agremiação conseguiu terminar o desfile dentro do tempo limite de 65 minutos.

+Aniversário de Ludmilla teve ex-BBBs em peso; saiba o que rolou

Depois do susto inicial, a Mancha conseguiu mostrar o seu samba-enredo baseado na importância e valorização da água. A comissão de frente homenageou Oxalá, mostrando a ligação da água com a religião. A porta-bandeira Adriana, ladeada pelo mestre-sala Marcelo, representaram, respectivamente, Nossa Senhora Aparecida e o pescador.

A segunda alegoria abordou as lendas indígenas e falou das águas dos rios. O terceiro carro mostrou a lenda de Iara e o encontro com Iemanjá. A renovação da água foi tema da última alegoria, que trouxe uma estátua de Poseidon.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Para entender e curtir o melhor de SP, Veja São Paulo. Assine e continue lendo.

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas de São Paulo.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)

Impressa + Digital

Plano completo da VejaSP! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas de São Paulo.

Receba semanalmente VejaSP impressa mais acesso imediato às edições digitais no App Veja, para celular e tablet.

a partir de R$ 19,90/mês