Continua após publicidade

Jô diz que família foi barrada em bar por usar camisa do Corinthians

Tatu Bola afirma que veto existe há mais de dez anos e visa evitar discussões entre torcedores

Por Redação VEJA São Paulo Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
2 Maio 2022, 15h52

O atacante , do Corinthians, publicou um post em suas redes sociais afirmando que a sua família foi barrada em uma unidade do Tatu Bola Bar na tarde deste domingo (1º).

+Em sabatina, França critica câmeras da PM e promete fim da Cracolândia

Segundo ele, a mulher, filhos e amigos foram impedidos de almoçar em um restaurante da rede por estarem trajando a camisa do Corinthians. “Minha esposa e meu filho estavam usando a blusa do time pelo qual eu jogo, pois iriam me assistir logo depois”, afirmou o jogador.

Neste domingo, o Corinthians disputou mais uma partida do campeonato brasileiro de futebol, desta vez contra o Fortaleza. A equipe do parque São Jorge venceu o adversário por 1 a 0 e conquistou a liderança temporária do campeonato.

+Cidade de São Paulo tem um celular roubado a cada cinco minutos

Em post feito após o jogo, o atacante se mostrou indignado com o fato.

“Um médico usa seu jaleco com orgulho, um defensor civil usa seu uniforme com orgulho, mas quando falamos de futebol um familiar não pode usar o uniforme do trabalho do pai? O que está acontecendo com o mundo?. Não é o que fala, é como fala. Não é o que faz, é como faz! As brigas são culpa das pessoas e seus desequilíbrios e não das roupas, estamos no século 21 e podemos ir e vir, pelo menos teoricamente”, questionou o jogador na postagem. Confira abaixo.

View this post on Instagram

A post shared by Jô (@jooficial7)

Em nota, a Tatu Bola Bar informou em nota que o veto existe há mais de dez anos e vale para clientes vestindo camisas de times de futebol da capital. “Isto porque já tivemos ocorrências de violência entre torcidas antes dessa prática. O espaço conta com aviso na entrada que vale para qualquer tipo de vestimenta que tenha siglas de times de futebol ou das torcidas organizadas destes clubes”, afirma trecho da nota.

Continua após a publicidade

+‘Pode trazer a vaselina’: uma noite na casa de sexo e gogo-boys do Centro

O estabelecimento disse ainda lamentar o ocorrido e que não teve intenção de ofender qualquer pessoa ou torcida. “A iniciativa é uma questão de maior segurança para todos os clientes. Desejamos que o convívio entre as diversas torcidas volte a ser pacífico e harmonioso”, diz.

O bar finaliza a nota informando que irá procurar Jô e sua família para esclarecer os fatos.

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe semanalmente Veja SP* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de São Paulo

a partir de 49,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.