Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Butantan desmata área de 13 000 m² para instalação de laboratório

Vizinhos questionam necessidade do corte de árvores; Instituto afirma que realizará compensação ambiental em espaço maior do que o atingido

Por Guilherme Queiroz Atualizado em 10 jun 2021, 18h27 - Publicado em 10 jun 2021, 18h16

A derrubada de árvores no Instituto Butantan, localizado na Zona Oeste da capital paulista, causou revolta em moradores da região. Durante duas semanas, com início no final do mês de maio, uma área de cerca de 13 000 metros quadrados, contendo vegetação de grande porte, foi desmatada.

Segundo o Instituto, naquela região do terreno, conhecida como Fazendinha, será construído um laboratório que vai auxiliar na fabricação de imunobiológicos em função da “elevada demanda de produção de vacinas e soros”. Como compensação ambiental, 2 215 mudas de espécies nativas da região serão plantadas em 40 000 metros quadrados, dentro do Butantan. O barulho das serras elétricas, no entanto, chamou atenção dos moradores de condomínios residenciais da Rua Barroso Neto, vizinhos da área verde da instituição.

Imagem aérea mostra região coberta de mata, com edificação ao centro e, ao lado, área com árvores caídas no chão
Área desmatada para construção de laboratório no Instituto Butantan Paulo Rapoport/Divulgação

“A gente começou a ouvir as árvores tombando”, diz a professora Tarita de Souza, 42. “Por que eles tiveram que devastar uma área em São Paulo? Isso que me deixa revoltada. Com tanto lugar para construir, acho que como sociedade, a gente devia questionar”, afirma. “Começaram a abrir clareiras. Demorou quase uma semana para a gente obter resposta [do Butantan], pensamos que iam acabar com todas as árvores”. Aquela não é a única área verde do complexo, que conta com 750 000 metros quadrados de vegetação, o equivalente a metade do Parque Ibirapuera. De acordo com a instituição, a mata que crescia na área não era nativa e, por isso, aquele pedaço foi escolhido para abrigar o novo laboratório.

O professor Marcus Mazzari, 62, também vizinho do local, pede explicações. “Eles falam que vão fazer uma compensação, mas onde, quando? E se eles tem espaço para compensação, por que não construir lá então? É o habitat de animais, é algo muito preocupante. Quantos anos vai demorar para crescer? Ninguém está contestando a necessidade de se lutar pela produção de vacinas, mas o meio ambiente também é importante”, comenta.

Imagem mostra foto de drone do Instituto Butantan, mostrando edificações ao centro e área verde no entorno
O Instituto Butantan, na Zona Oeste da capital Comunicação Instituto Butantan/Divulgação

De acordo com a instituição, o plantio das mudas deve começar em cerca de dois meses, em uma área próxima da que foi desmatada. A derrubada das árvores foi autorizada pela Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb), que informa que a autorização foi baseada em leis federais e estaduais: “também foi consultada a Secretaria do Verde e do Meio Ambiente do município [São Paulo], que se manifestou por não ter oposição à supressão de vegetação para implantação do Biotério Central”, disse em nota para a Vejinha.

Biotérios são viveiros onde se conservam animais em condições adequadas para o uso em pesquisas científicas.

O Butantan é tombado pelo Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico (Condephaat). Procurado pela reportagem, o órgão de preservação afirmou que “autorizou o projeto de ampliação das atividades. A instituição do governo de São Paulo iniciou o trabalho de manejo arbóreo dentro de suas instalações para construção do novo laboratório P 402. Todas essas intervenções em curso na área tombada seguem o Plano Diretor, aprovado pelo Condephaat”.

Continua após a publicidade

“Infelizmente, é mais um pedaço de área verde que a cidade perde”, finaliza o professor Marcus Mazzari.

Confira abaixo a íntegra da nota do Butantan sobre o caso:

O Instituto Butantan informa que iniciou trabalho de manejo arbóreo dentro de suas instalações para a construção de um novo laboratório que auxiliará na produção de imunobiológicos na instituição. Todo o trabalho realizado conta com a devida autorização da Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (n° 022210/2021 – Processo Administrativo n° 062913/2020-78 e Licença de Instalação n° 45002809) e uma compensação ambiental será realizada com a restauração ecológica de uma extensão de aproximadamente 40 mil metros quadrados nas proximidades da região impactada, contemplando uma área três vezes maior que o local das intervenções.

Para a restauração, será realizado o plantio de enriquecimento, conjugado com a regeneração natural de espécies nativas e com o incremento da diversidade de espécies promovidas pelo plantio de 2.215 mudas de espécies nativas.

O Instituto Butantan também elaborou  informes que começaram a ser enviados aos vizinhos para fins de esclarecimentos de dúvidas. No documento consta, dentre outras informações, o número da licença que nos permite realizar o manejo.

Em função da elevada demanda de produção de vacinas e soros, e com isso a necessidade de expansão da Instituição, necessários para o atendimento da demanda nacional e desenvolvimento de novas pesquisas, o Instituto Butantan pretende construir os prédios para abrigar as instalações do novo laboratório P 402 e suas utilidades P 1401, devido ao seu papel estratégico e de grande relevância para produção dos imunobiológicos produzidos no Instituto Butantan.

Ressaltamos, por fim, que o Butantan possui 750 mil metros quadrados de área verde.

  •  

    Continua após a publicidade
    Publicidade