Clique e assine por apenas 6,90/mês

Homem é espancado após beijar bebê no colo da mãe em Ourinhos

Grupo de oito pessoas achou que ele tivesse abusado da criança e passou a agredi-lo com tapas, socos e chutes

Por Estadão Conteúdo - 21 Nov 2017, 21h46

Um homem embriagado foi espancado por várias pessoas na tarde desta segunda-feira (20), depois de beijar uma bebê de 7 meses no colo da mãe em um supermercado de Ourinhos, no interior de São Paulo. Uma dona de casa de 30 anos, fazia compras no Supermercado São Judas, quando Ivo de Paula, de 45 anos e profissão não informada, aproximou-se dela.

“Ele passou a mão na roupa da criança e, depois, deu um beijo na bebê. Sentindo-se importunada, a mãe comunicou o fato a um segurança que retirou o homem do estabelecimento”, afirmou a delegada titular da Delegacia de Defesa da Mulher (DDM), Ana Rute de Castro Bertolaso.

Depois de ser retirado do supermercado, o homem, cambaleante, atravessou a Rodovia Raposo Tavares e foi contido pelo irmão da dona de casa. Ela gritou para o homem “não importunar mais a criança”. Um grupo de oito pessoas achou que ele tivesse abusado da criança e passou a agredi-lo com tapas, socos e chutes.

“Ele estava muito bêbado e caiu. Permaneceu deitado enquanto apanhava sem reagir. Ele não ficou muito machucado”, explicou a delegada. A agressão só terminou com a chegada da Polícia Militar, que levou o suspeito para a DDM.

Continua após a publicidade

Ao ser ouvido, ele disse que beijou a bebê porque a achou bonita. A mãe inocentou de Paula.

“Ela contou que não viu conotação sexual no gesto do suspeito”, esclareceu a policial, acrescentando que ele não quis fazer exame de corpo de delito.

Reconhecimento
A delegada acha que dificilmente o homem reconhecerá os agressores. “É que ele estava muito bêbado, a família precisa cuidar desse homem”, sugeriu Ana Rute. Foi registrado um boletim de ocorrência. “Na quarta-feira, mando para o fórum”, completou.

De Paula deverá ser processado por importunação ofensiva ao pudor. A pena para esse crime é de seis meses de prisão.

Publicidade