Continua após publicidade

Empresário distribui cestas de Natal na Favela do Areião

Douglas Carvalho Junior dedica tempo para organizar as doações e administrar os presentes vindos de empras parceiras que adotam a causa

Por Jussara Soares
Atualizado em 16 Maio 2024, 16h46 - Publicado em 13 dez 2013, 17h58

Todos os anos, desde o início do mês de novembro, o consultor financeiro Douglas Carvalho Junior, de 39 anos, passa a conciliar sua rotina de planejamento de fusões e aquisições de empresas com outro tipo de planilha. Nela, controla as doações que resultarão em um Natal com mesa mais farta para famílias carentes da Grande São Paulo.

+ Saiba onde curtir os melhores passeios de Natal na cidade

Neste ano, serão distribuídas cercade 1 500 cestas básicas, além de 2 000 brinquedos, a maior parte desses itens na Favela do Areião, em Osasco, próximo à Rodovia Castello Branco. Dessa forma, Junior mantém vivo o projeto iniciado há meio século por Maria Therezinha Scapotiello, avó de sua mulher, Raphaela.

Falecida em 2001, Maria Therezinha ingressou no trabalho em 1963, vendendo rifas para custear as doações. “Com a morte dela, seguimos na iniciativa, mas ainda não era nada grandioso tal qual é hoje”, diz Márcia, de 63 anos, filha da matriarca. Até 2008, os presentes se limitavam a 150 cestas. Foi quando Junior, recém-casado com Raphaela, entrou na causa. Em 2009, conseguiu mais que dobrar o número de kits, para 350. Não houve milagre.

Para bater os recordes, usa sua “rede social” (do mundo real, não da internet). Clientes, colegas do futebol e amigos dos tempos do Colégio Santo Américo são recrutados a cada ano — e sempre recebem a missão de atrair novos colaboradores. “Assumo o papel de chato: ligo, mando e-mail, cobro o tempo todo.” Os cheques são nominais à companhia que vende os produtos a ser distribuídos. “Não queremos virar uma ONG. É uma ação entre amigos.”

Continua após a publicidade

+ Veja nossa página especial de Natal programe sua ceia

Neste ano, foram arrecadados 45 000 reais para a compra de alimentos (a cesta com catorze itens custa 30 reais) e 20 000 reais destinados a bolas, bonecas e afins. Como o volume de doações cresceu, em 2013, além das 500 famílias que costumam ser agraciadas na favela, onze instituições entrarão na lista. “Participar desse projeto mudou minha visão de mundo, e passei a me sentir mais útil”, avalia. “A ideia é, um dia, realizá-lo todos os meses, e não apenas no fim do ano.”

Nome: Douglas Carvalho Junior | Profissão: consultor financeiro | Realidade que transformou: tornou grande um programa de doações de cestas básicas e brinquedos no Natal.

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe semanalmente Veja SP* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de São Paulo

a partir de R$ 39,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.