Eduardo Bolsonaro, um dos políticos mais populares nas redes sociais

Com agenda conservadora, o deputado federal por São Paulo cresce em popularidade

Toda vez que abre o WhatsApp em seu iPhone 6 Plus pela manhã, Eduardo Bolsonaro, de 32 anos, vê milhares de mensagens chegar simultaneamente, a ponto de travar o celular. Em 29 de novembro, por exemplo, começou o dia com 2 900 não lidas. Ele participa de centenas de grupos, com nomes como Direita Forte Brasil e Avante Bolsonaro. Em sua página no Facebook, com 1 milhão de seguidores, o deputado federal pelo Partido Social Cristão (PSC) publica cerca de seis vídeos por semana.

Toda essa atividade o levou ao topo da lista dos políticos mais importantes nas redes sociais, de acordo com o ranking da empresa de conteúdo digital Medialogue. Ele aparece empatado com o pai, Jair Bolsonaro, com o colega de partido Marco Feliciano e com a carioca Jandira Feghali. O levantamento, divulgado em outubro, monitorou o desempenho de 594 congressistas durante cinco meses.

+ Polícia investiga se PCC mandou torcidas pararem de brigar

Parte das gravações postadas por Eduardo é ambientada em seu escritório/casa, na Vila Mariana. Ali, uma bandeira do Brasil e outra de São Paulo servem como cenário. Também está pendurado na parede um quadro onde se lê: “Eu pacificamente vou te matar”. O deputado faz transmissões ao vivo, curte comentários e responde a alguns deles com um simples “sim, concordo” ou com réplicas elaboradas. Aproveita os voos para Brasília para editar os vídeos.

“No Plenário, quando não quero ouvir os discursos chatos da Jandira Feghali, dou uma atualizada nas minhas redes sociais”, alfineta. Uma perícia da Polícia Civil do Distrito Federal constatou na semana passada que uma montagem publicada em abril pelo político era falsa. A peça dá a entender que o famoso cuspe do deputado Jean Wyllys no pai de Eduardo, no dia da votação do impeachment, havia sido premeditado. “Não admito que gastem dinheiro público para investigar algo como isso”, reclama Eduardo. “Copiei no vídeo o que vi em uma emissora de TV.”

Eduardo BolsonaroEduardo Bolsonaro

 (/)

Carioca com sotaque puxado, o rapaz de 1,89 metro e 98 quilos gosta de correr e frequenta a academia Bodytech, no bairro de Indianópolis. Surfa quando pode. Vai para a Bahia no réveillon e já depilou os pelos do peito a laser para que não grudem na parafina da prancha. Os cabelos lisos e loiros queimados ficaram nas lembranças da juventude. Eduardo já fez trabalhos como modelo para a agência Elite. “Parei porque, nesse meio, tem uns caras que pediam para eu passar na casa deles para ganhar calça jeans…”, lembra. Hoje, vive recebendo pedidos de casamento, mas está solteiro. Gosta de balada, churrasco e barzinho. “Já tomei porre de bebida, mas droga nunca usei”, jura. Ele segue a Igreja Batista, mas não vai aos cultos com frequência. “Se descobrissem que experimentei algo ilícito, isso poderia prejudicar a imagem do meu pai.”

Em sua atividade parlamentar, o deputado defendeu recentemente a proibição do aborto em uma audiência pública. Um de seus projetos de lei, ainda não votado, quer criminalizar o comunismo. Apresentado em maio, o texto prevê como crime o uso do símbolo da foice e do martelo. Além disso, ele é vice-presidente da Comissão de Defesa dos Direitos das Pessoas com Deficiência e participa da Comissão de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado.

+ Polícia divulga fotos de suspeitas do golpe “Boa Noite, Cinderela”

Eduardo é o braço paulista de uma família estabelecida no Rio de Janeiro que gira em torno de Jair Bolsonaro, deputado federal desde os anos 90. Tem outros dois irmãos envolvidos com a política: Carlos, vereador, e Flávio, deputado estadual, ambos atuantes na capital fluminense. Sua mãe, Rogeria, foi vereadora nos anos 90. “Eles têm um sobrenome que virou grife e exerce influência”, afirma Guilherme Nascimento, presidente do diretório paulista do PSC. Todos defendem uma agenda conservadora. São contra o casamento entre pessoas do mesmo sexo e trabalham para a diminuição da maioridade penal.

Eduardo BolsonaroEduardo Bolsonaro

 (/)

Em uma manifestação a favor do impeachment de Dilma Rousseff na Avenida Paulista, em novembro de 2014, Eduardo subiu no carro de som com uma arma na cintura. Nesses grandes eventos, recebe bajulação digna de celebridade. Faz selfies e distribui abraços. Antes de ser eleito com 82 224 votos em 2014, dava expediente na Polícia Federal. Atuou em Rondônia, na fronteira com a Bolívia, e no Aeroporto de Guarulhos, sempre no controle de entrada de drogas. Quando viaja aos Estados Unidos, visita clubes de tiro. Em casa, tem uma pistola Glock 17, de 9 mm, e uma espingarda calibre 12. “Só ando armado”, afirma. O arsenal nem sempre garante sua segurança. Há três meses, ele teve o estepe do carro furtado na porta de sua residência, na Zona Sul.

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s