Continua após publicidade

Dono de lanchonete faz ofensas homofóbicas a cliente

Discussão entre Shemuel Shoel e Leka Peres começou depois de uma crítica a itens de decoração da casa

Por Veja São Paulo
Atualizado em 5 dez 2016, 11h54 - Publicado em 5 nov 2015, 14h32

Dono da lanchonete The Dog Haüs, Shemuel Shoel ofendeu, na noite de quarta (4), a jornalista Leka Peres com mensagens homofóbicas. Leka havia criticado o estabelecimento por manter em suas paredes placas decorativas cujo teor ela considerou machistas

Na noite de quarta, o empresário ofendeu a jornalista via serviço de mensagens instântaneas do Facebook. “Ele veio me procurar falando que não era machista e que nunca havia desrespeitado uma mulher”, contou à VEJA SÃO PAULO. Depois, segundo ela, começaram as ofensas. Nas mensagens, ela é chamada de “sapatão mal-educada e “p… de quinta”. 

Procurado pela reportagem, Shoel afirmou que ela o chamou no serviço de troca de mensagens. “Ela passou o dia inteiro me enchendo o saco e eu até dei umas risadas, mas uma hora eu não aguentei e falei todas aquelas m…”, afirmou ele. “Eu não sou homofóbico, mas não tenho que me explicar a ninguém”, disse o empresário.

Continua após a publicidade

A história pode, agora, acabar na Justiça. “Pretendo prestar queixa na delegacia por ameaça e homofobia”, conta Leka . Shoel, por sua vez, diz que irá processá-la por ela o chamar de “traficantezinho de quinta”, em relação a um caso de porte de drogas no qual ele foi julgado e absolvido em 2011.

+ Confira as últimas notícias da cidade

Entenda o caso

Continua após a publicidade

No último sábado (31), Leka publicou um post dizendo que o estabelecimento mantinha placas de decoração com conteúdo machista. Um dos cartazes trazia a frase “meninas: sem camisa, drinks grátis” e a outra listava desculpas que a lanchonete poderia dar “caso alguma namorada ou esposa ligar procurando você”.

Irritado com o comentário da jornalista, Shoel respondeu dizendo que “havia muita gente infeliz no mundo”. “Caramba, quanta fente infeliz no mundo. Isso é decoração, bando de babaca. Aqui respeito a todos. Ficou ofendido? Come hot dog em outro pico”, escreveu ele. 

Na tarde de quarta (4), o empresário afirmou à VEJA SÃO PAULO que a postagem havia sido equivocada. Disse ainda que as placas foram retiradas, “mas apenas porque alguns de seus clientes haviam dito que a briga não valeria pena”. “Homem, mulher e até criança sempre tirou foto [com a placa], compartilhou nas redes sociais e levou na brincadeira. Essa moça, porém, foi grosseira”, comentou.  

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Para curtir o melhor de São Paulo!
Receba VEJA e VEJA SP impressas e tenha acesso digital a todos os títulos Abril.
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe semanalmente Veja SP* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de São Paulo

a partir de R$ 39,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.