Continua após publicidade

Deputados estaduais terão aumento salarial de 37,3% até 2025

Elevação é menor do que a do governador, que teve reajuste de 50%; salário atual dos integrantes da Alesp irá de 25 322 reais para 34 774 reais no período

Por Clayton Freitas
Atualizado em 17 jan 2023, 15h57 - Publicado em 17 jan 2023, 12h11

Depois do aumento de 50% no salário do governador Tarcísio de Freitas (Republicanos), agora é a vez dos deputados estaduais receberam reajuste no valor dos subsídios. No comparativo com o chefe do poder Executivo, eles terão um índice de elevação menor, de 37,3%, que será aplicado de forma escalonada até fevereiro de 2025.

+Rosa Weber suspende indulto a PMs condenados pelo massacre do Carandiru

Atualmente eles recebem 25 322,25 reais. Segundo publicação do Diário Oficial do Estado desta terça-feira (17), neste mês de janeiro o aumento já será de 16%, o que fará o salário saltar para 29 469,99 reais. Já em abril deste ano, eles terão mais 6% de aumento, o que fará o salário ir de 29 469,99 reais para 31 238,19 reais. Os outros aumentos são os seguintes:

  • 5,6% – em 1º de fevereiro de 2024 – passará de 31 238,19 reais para 33 006,39 reais;
  • 5,3% – em 1º de fevereiro de 2025 – irá de 33 006,39 reais para 34 774,64 reais

    Se o governador não receber novo aumento até fevereiro de 2025, os deputados estaduais terão vencimentos superiores ao dele, já que o novo salário de Tarcísio passou dos atuais 23 048 reais para 34 572 reais.

    +Cidade de São Paulo deve receber 40% da chuva prevista para o mês até sexta (20)

    A tramitação do projeto de lei que permitiu o aumento de salário para os deputados estaduais foi feita em regime de urgência, e a proposta foi aprovada às vésperas do Natal, em 21 de dezembro de 2022. Para virar lei, ele dependia do aval do governador à época, Rodrigo Garcia (PSDB).

    O tucano não sancionou e nem reprovou a medida, deixando a decisão para Tarcísio, que deixou vencer o prazo para tomar alguma medida a respeito. A Constituição Estadual determina que se o governador não se manifestar dentro do prazo de 15 dias úteis após o recebimento do projeto, o texto deve ser considerado sancionado. Assim como aconteceu com o caso do salário de Tarcísio, quem promulgou a medida foi o presidente da Alesp (Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo), Carlão Pignatari (PSDB).

    “O presidente da Assembleia é obrigado a promulgar o documento, no prazo de dez dias. Sendo assim, a promulgação por parte do presidente da Alesp ocorre a partir de previsão e determinação legais, não consistindo em escolha facultativa”, informou a Alesp em nota.

    Publicidade

    Essa é uma matéria fechada para assinantes.
    Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

    Domine o fato. Confie na fonte.
    10 grandes marcas em uma única assinatura digital
    Impressa + Digital no App
    Impressa + Digital
    Impressa + Digital no App

    Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

    Assinando Veja você recebe semanalmente Veja SP* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
    *Para assinantes da cidade de São Paulo

    a partir de R$ 39,90/mês

    PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
    Fechar

    Não vá embora sem ler essa matéria!
    Assista um anúncio e leia grátis
    CLIQUE AQUI.