Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês

Covas assina protocolo: bares e restaurantes não abrirão à noite

Autorizados a reabrir a partir de segunda-feira (6), os estabelecimentos de rua terão de fechar às 17h

Por Redação VEJA São Paulo Atualizado em 4 jul 2020, 15h48 - Publicado em 4 jul 2020, 12h17

O prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), assinou neste sábado (4) o protocolo que define como os bares, restaurantes e salões de beleza irão funcionar a partir de segunda-feira (6), quando poderão reabrir as portas após mais de 100 dias de quarentena na capital paulista.

Uma das principais restrições que os bares e restaurantes terão de obedecer diz respeito ao horário. Os estabelecimentos de rua vão funcionar das 11h às 17h. Nos shoppings, o período vai das 16h às 22h.

Autoridades como o presidente da Câmara Municipal de São Paulo, Eduardo Tuma (PSDB), criticam a restrição. Neste sábado, Tuma fez um apelo para que a limitação seja revista. O político afirma que “o protocolo negociado com o setor previa a reabertura até às 22h, uma vez que que muitos restaurantes da cidade só operam à noite”.

No Rio de Janeiro, a abertura noturna provocou aglomerações nos últimos dias.

“Passada a fase aguda, atingimos um plato em São Paulo e é o momento de reabrir a atividade econômica. Bares, padarias, restaurantes, toda a área de estética e beleza poderão reabrir com os protocolos assinados no dia de hoje”, disse Covas, em transmissão ao vivo pela internet.

Além do horário reduzido, os bares e restaurantes terão a ocupação limitada a 40% da capacidade máxima. As mesas deverão manter dois metros de distância entre elas e terem, no máximo, seis pessoas . Os funcionários vão precisar usar máscara e viseira de acrílico.

Confira aqui mais detalhes de como alguns dos principais empresários do setor estão se preparando para a reabertura, como apurou o editor sênior Arnaldo Lorençato.

Nos salões de beleza, o distanciamento mínimo entre os clientes é de 1,5 metro. O cabelo dos clientes deve ser lavado antes do corte. Na depilação, será obrigatório o uso de máscara e escudo facial.

 

Continua após a publicidade

Publicidade