Clique e assine por apenas 6,90/mês
Memória Por Blog Uma viagem no tempo às décadas passadas por meio de suas histórias, costumes e curiosidades.

Topo Gigio, o ratinho que conquistou o Brasil

O personagem italiano foi a alegria das crianças nas últimas cinco décadas

Por Roosevelt Garcia - Atualizado em 8 dez 2017, 13h12 - Publicado em 8 dez 2017, 13h11

Sem pensar muito, diga rapidamente o nome de um rato famoso. Provavelmente você teria pensado no Mickey, se não fosse o título desta matéria. Mas o Topo Gigio também foi um ratinho muito conhecido no Brasil, principalmente nos anos 70 e 80, mesmo tendo ficado no ar por tão pouco tempo.

O personagem foi criado na Itália no final dos anos 50 por Maria Perego, uma experiente roteirista de personagens para a televisão. O ratinho fala e age como uma criança de 5 anos, que está aprendendo a como se comportar e a fazer coisas triviais para uma criança dessa idade, como escovar os dentes e praticar as orações antes de dormir. O jeito meigo do ratinho logo conquistou o mundo, e ele fez sucesso em Portugal, no México, e até no Japão, onde teve uma série de animes, e também na televisão americana, no conceituado programa Ed Sullivan Show.

Topo Gigio e sua criadora Maria Perego Reprodução/Veja SP

 

Sua estreia no Brasil foi em 1969, na TV Globo, no programa Mister Show, apresentado por Agildo Ribeiro. O programa ia ao ar às quintas-feiras à noite, e as crianças se recusavam a ir pra cama antes de assistir o simpático ratinho. Num dos quadros do programa, Topo Gigio batia um papo com Agildo, a quem ele chamada de Agildinho, sobre curiosidades que as crianças têm, e no final, aparecia de pijama e uma touca pra ir dormir, sempre pedindo um beijinho de boa noite ao apresentador.

O boneco era dublado por Pepino Mazzullo, um italiano de verdade, que não falava português, apenas decorava a sonoridade das palavras e conversava com Agildo sem saber o que estava falando. Pepino, aliás, foi a primeira voz do ratinho em seu país de origem. O sotaque italiano carregado do dublador era uma das marcas registradas do personagem, e fazia com que sempre falasse devagar, o que dava a ele um tom muito carinhoso.

Esse comportamento meigo acabou provocando um boato de que ele seria afeminado e os produtores da época inventaram uma namorada. A ratinha chamava-se Rose, e o Brasil foi o único país do mundo em que ela apareceu. Nessa época, outra namorada se juntou ao elenco principal: Regina Duarte, a namoradinha do Brasil, aparecia junto com Agildo Ribeiro contracenando com Topo Gigio e Rose.

Topo Gigio e Rose com Agildo Ribeiro e Regina Duarte Rede Globo/Divulgação

 

O programa Mister Show fico no ar até novembro de 1970, mas em 71, Agildo e Topo Gigio voltaram à TV pela Globo num programa especialmente criado para o personagem, chamado Topo Gigio Especial, que era apresentado aos sábados. A Gigio-mania tomou conta do país, todo mundo adorava o ratinho. A Estrela, já uma grande fabricante de brinquedos naquela época, lançou uma série de itens inspirados nele, desde bonecos idênticos ao original até carrinhos e a caminha onde ele dormia.

Brinquedos lançados pela Estrela Estrela/Divulgação

 

No final de 1971, o programa saiu do ar, e aos poucos o ratinho foi sendo esquecido. Pouco mais de dez anos se passaram, e em 1983, um acordo entre a TV Bandeirantes e a produtora italiana detentora dos direitos sobre o personagem trouxe o ratinho de volta à nossa TV, num programa semelhante ao que tinha sido na Globo, chamado Boa Noite Amiguinhos, com o mesmo dublador italiano Pepino Mazzullo. Infelizmente o programa não foi pra frente, ficando menos de um ano no ar.

Discos compactos do Topo Gigio lançados nos anos 70 Reprodução/Veja SP

 

Discos LP do Topo Gigio lançados nos anos 80 Reprodução/Veja SP

 

A mesma TV Bandeirantes resolveu apostar novamente no personagem em 1987, e o ratinho agora contracenava com o ator Ricardo Petraglia, a quem ele chamava carinhosamente de Dick Petra. Nesta versão, quem fazia a voz de Topo Gigio era o músico e humorista Laert Sarrumor, do grupo Língua de Trapo, que ganhou o papel graças ao produtor argentino Mister Sam, aquele mesmo que lançou a Gretchen anos antes. Mister Sam convidou Laert para o teste de voz do personagem, e ele foi aprovado imediatamente. Laert, inclusive, era um grande fã do ratinho, e teve os brinquedos inspirados nele no início dos anos 70.

 

Trecho do programa de Topo Gigio na Bandeirantes em 1987

Continua após a publicidade

https://youtu.be/oCaGFURGRqQ

 

Nessa época, dois discos foram lançados com Topo Gigio cantando músicas como Meu Limão, Meu Limoeiro e Chove Chuva. Laert Sarrumor foi quem deu voz ao ratinho também nesses discos. E novamente a Estrela lançou brinquedos inspirados no personagem. A Bandeirantes produziu até um filme de longa metragem chamado Topo Gigio no Castelo do Conde Drácula. A Gigio-mania voltava com força total, finalmente. O programa ficou no ar pouco mais de dois anos.

 

Topo Gigio canta Meu Limão Meu Limoeiro

 

Em 2000, a Globo quis trazer o personagem novamente para nossas terras para participar do humorístico Zorra Total, mas os custos de licenciamento pedidos pela produtora italiana eram muito altos, tornando inviável a continuação do projeto.

 

Em 2015, o apresentador Carlos Massa, o Ratinho, fez uma homenagem ao personagem em seu programa no SBT, e a produtora brasileira Sato Company criou um canal oficial no YouTube com aventuras inéditas dubladas do Topo Gigio. Algumas histórias até chegaram a ser lançadas em DVD no Brasil pela Focus Filmes, mas sem o mesmo sucesso dos programas na televisão.

 

Veja a apresentação do canal Topo Gigio Brasil no YouTube

 

No ano que vem, o personagem completa 60 anos de idade, mas continua meigo e doce por todo o mundo como uma criança de 5 anos. Me dá um beijinho de boa noite?

 

Continua após a publicidade
Publicidade