Clique e assine por apenas 5,90/mês
Memória Por Blog Uma viagem no tempo às décadas passadas por meio de suas histórias, costumes e curiosidades.
Conteúdo para assinantes

Fundador de discotecas, Leuzzi mudou a cena noturna paulistana

Ângelo Leuzzi, que faleceu nesta quarta-feira (22), trouxe novas propostas musicais, artistas nacionais e decorações criativas nos anos 80 e 90

Por Humberto Abdo - Atualizado em 1 Maio 2020, 10h24 - Publicado em 1 Maio 2020, 06h00

Fã de motos, tatuagens e vinis, o empresário e DJ paulistano Ângelo Leuzzi ajudou a dar mais personalidade à vida noturna da cidade nos anos 1980 e 1990 — sem imitar modismos de outros países, como ressaltava. a primeira danceteria, rose Bom Bom, começou como casa de lanches e sucos que não deu certo. Mais tarde, receberia bandas nacionais como Barão Vermelho, Legião Urbana, Titãs e Paralamas do Sucesso. Depois vieram empreendimentos como o Columbia, com uma pista no subsolo que abria às 5 horas; o BaSe, cuja estrutura incluía duas piscinas; e o Lov.e, com decoração colorida composta de lustres de antiquários, DJs de música eletrônica e a proposta, nova para a época — dividir estilos musicais em dias específicos da semana.

“Ele tinha o sonho de fazer o Lov.e com o Peter Schroff, que vivia em Los angeles e fazia projetos para lojas, mas o arquiteto não podia vir ao Brasil”, relembra Lucca Salvatore, um dos filhos de Leuzzi. “Acabou construindo a casa inteira se comunicando por fax.” Entre as novidades que trazia para as festas, foi um dos primeiros a organizar concursos de drag queens. “Ângelo tinha um senso estético forte e sabia muito bem o que agradava”, resume Beto Pandiani, um de seus sócios e amigos. “E era muito generoso, estiloso, gostava de frequentar os lugares.”

Empresário e DJ, Leuzzi lançou casas como Rose Bom Bom e Columbia Arquivo Pessoal/Divulgação

Nos últimos anos, o DJ vivia com o filho em uma casa na represa de Guarapiranga, onde montavam um barco juntos e organizavam festas e eventos menores. Leuzzi foi casado com a ex- modelo, atriz e pintora Claudia Liz e com a estilista e empresária Flávia Ceccato. Na quarta-feira (22), após um mal súbito, ele faleceu aos 64 anos. O empresário deixa dois filhos, Lucca e Kali.

 

Publicado em VEJA SÃO PAULO de 6 de maio de 2020, edição nº 2685.

Assine a Vejinha a partir de 6,90.

Continua após a publicidade
Publicidade