Clique e assine com até 89% de desconto
Memória Por Blog Uma viagem no tempo às décadas passadas por meio de suas histórias, costumes e curiosidades.

Dez vezes em que Jerry Lewis foi épico

A Sessão da Tarde nunca mais será a mesma

Por Roosevelt Garcia 20 ago 2017, 18h01

O mundo ficou ainda mais triste com a morte de Jerry Lewis hoje. Ele foi o rei das antigas exibições da Sessão da Tarde, seja em atuações solo, ou nas inesquecíveis parcerias com Dean Martin, amigo que conheceu ainda nos anos 40.

Dono de caretas e trejeitos imitados até hoje, Joseph Levitch nasceu em 1926. Aos 5 anos de idade já estava se apresentando no teatro, graças aos seus pais, ambos ligados ao show business. Começou a parceira com Dean Martin em 1946, primeiramente somente no teatro e depois no cinema, onde Dean era sempre o rapaz certinho e Jerry, o palhaço da dupla.

A partir de 1957, em carreira solo, estrelou os filmes mais bem sucedidos de sua carreira, como O Bagunceiro Arrumadinho (1964), O Mensageiro Trapalhão (1960), O Professor Aloprado (1963), entre tantos outros. Essa fase durou até o início dos anos 70. A partir daí, Jerry fez algumas participações em cinema e TV, mas passou a se dedicar a um programa anual, uma Telethon, para angariar fundos para a cura da Distrofia Muscular Infantil, trabalho pelo qual ganhou diversos prêmios humanitários e foi também indicado ao Nobel da Paz.

Com a saúde debilitada desde os anos 80, ele continuou trabalhando até seus últimos dias. Hoje, dia 20 de agosto, aos 91 anos de idade, ele finalmente descansou.

Abaixo, relembre dez momentos da carreira de Jerry Lewis que não podem ser descritos de outra forma, que não “épicos”. Confira:

  • Sua parceria com Dean Martin

  • Sinfonia da Máquina de Escrever – filme Errado Pra Cachorro (Who´s Minding the Store ) – 1963

https://youtu.be/oSyivQLQfQw

Continua após a publicidade
  • Fazendo 7 personagens diferentes em A Família Fuleira (The Family Jewels) – 1965

  • Tocando Rock – filme Bancando a Ama Seca (Rock a Bye Baby) – 1958

  • Como o enfermeiro que sentia as dores dos pacientes em O Bagunceiro Arrumadinho (The Disorderly Orderly) – 1964

  • A cena do teste de microfone em O Terror das Mulheres (The Ladies Man) – 1961

  • Ele foi indicado ao Prêmio Nobel da Paz em 1977 por seus esforços em levantar fundos para a cura da Distrofia Muscular Infantil, e apresentou por muitos anos um Telethon para este fim.

  • Em desenho animado

  • Fazendo o papel de vilão em O Homem da Máfia (Wiseguy) – 1989
Jerry como Eli Sternberg, em O Homem da Máfia (Wiseguy – 1989) Reprodução/Veja SP
  • Suas respostas para um repórter despreparado numa entrevista recente

  • Continua após a publicidade
    Publicidade