Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Memória Por Blog Uma viagem no tempo às décadas passadas por meio de suas histórias, costumes e curiosidades.

Relembre palhaços históricos brasileiros

Vindos do circo, ou criados para a televisão, eles fizeram história no país

Por Roosevelt Garcia 7 ago 2017, 15h00

A arte do circo mudou muito nos últimos 100 anos, e seu maior representante, o palhaço, também teve que se adaptar aos novos tempos. Geralmente vindos de famílias ligadas diretamente ao mundo circense, a maioria dos palhaços que fizeram história no Brasil migraram para a televisão durante suas carreiras, e assim atingiram um número muito maior de pessoas, mesmo naqueles longínquos anos. Outros foram criados já para esta nova mídia e continuam a alegrar crianças e adultos até hoje. Relembre alguns clássicos representantes da arte de fazer rir no circo, e também aqueles que fizeram das mídias eletrônicas o seu picadeiro.

 

Continua após a publicidade

  • Arrelia

Vindo de uma família inteira de circo, Waldemar Seyssel atuou nos palcos desde os 6 anos de idade. Foi o primeiro da família a deixar o circo para trabalhar na televisão em 1953, e em 1955 já tinha seu próprio programa, o Cirquinho do Arrelia, na Record, que ficou no ar por onze anos. Alto e desengonçado, é um dos palhaços mais lembrados da sua geração.

Divulgação/Veja SP

 

Continua após a publicidade

 

Continua após a publicidade

  • Pimentinha

Walter Seyssel era sobrinho do palhaço Arrelia, mais um da família que acabou indo para a televisão. Trabalhou com o tio no programa Cirquinho do Arrelia e fez até um filme com os Trapalhões em 1975.

Divulgação/Veja SP

 

Continua após a publicidade

 

Continua após a publicidade

  • Carequinha

Era um dos maiores sucessos na televisão nos anos 60. Transmitido em rede nacional pela Tupi, ele também fazia programas regionais pelo Brasil todo. George Savalla Gomes também veio de uma família de circo, e foi para a TV ainda nos anos 50. Na década de 90 teve um programa na Manchete, cujo formato migrou depois para o Clube da Criança, da Xuxa, depois Angélica.

Divulgação/Veja SP

 

Continua após a publicidade

 

Continua após a publicidade

  • Torresmo

A história de Brasil José Carlos Queirolo, o Torresmo, na telinha se confunde com a própria história da televisão no Brasil. Ele também veio de uma família de circo, e após uma apresentação no programa de Luiz Gonzaga, foi convidado a ter um programa na recém inaugurada TV Tupi de São Paulo, em 1950. Em quase quarenta anos de programas, passou por todas as emissoras de TV, primeiro em companhia de seu amigo, o Palhaço Fuzarca, e depois com o próprio filho, conhecido como Pururuca.

Divulgação/Veja SP

 

Continua após a publicidade

 

Continua após a publicidade

  • Piolin

O mais conhecido palhaço brasileiro,  também chegou a ser considerado o melhor do mundo. Abelardo Pinto nasceu em um circo no final do século XIX e, em 1922, durante a Semana de Arte Moderna em São Paulo, foi aclamado por intelectuais como sendo o legítimo artista tipicamente brasileiro. Viveu sua vida toda em circo, participando esporadicamente de programas de televisão, mas sempre como convidado. O dia 27 de março, dia de seu nascimento, é comemorado o Dia Nacional do Circo.

Divulgação/Veja SP

 

Continua após a publicidade

 

Continua após a publicidade

  • Chicharrão

José Carlos Queirolo era o único brasileiro entre sete irmãos, mas nasceu no Brasil por acaso. Seus pais eram donos do circo Irmãos Queirolo, que estava na cidade de Rivera, no Uruguai. Literalmente do outro lado da rua era a cidade de Livramento, no Rio Grande do Sul. Seus pais se apresentavam no Uruguai, mas se hospedavam no Brasil, onde ele acabou nascendo, em 1889. Viveu sua vida toda no circo, e sua prole continuou o legado: ele é pai do Palhaço Torresmo, e avô de Pururuca.

Divulgação/Veja SP

 

Continua após a publicidade

 

Continua após a publicidade

  • Fuzarca

Albano Pereira Neto nasceu em 1913 e foi um dos pioneiros a levar a arte do circo para a televisão, com o amigo Torresmo, em 1950. Eles se conheceram anos antes, no Circo Alcebíades, de propriedade do pai de Fuzarca.

Divulgação/Veja SP

 

Continua após a publicidade

 

Continua após a publicidade

  • Atchim & Espirro

Eduardo dos Reis e Carlos Alberto de Oliveira se conheceram em 1982, e em 83 já formavam a dulpa Atchim e Espirro, no programa Turma da Pipoka, da TV Gazeta. Logo tiveram seu próprio programa, o Brincando na Paulista, na mesma emissora, e depois foram para a Bandeirantes, no Circo da Alegria. Palhaços tipicamente de televisão, gravaram diversos discos e se tornaram nacionalmente conhecidos depois de se apresentarem no Xou da Xuxa, na Globo. Se separaram por um tempo, mas voltaram à ativa recentemente.

Divulgação/Veja SP

 

Continua após a publicidade

 

Continua após a publicidade

  • Patati & Patatá

Nos anos 80, Patati Patatá era o nome de um grupo de teatro que viajava pelo país fazendo apresentações circenses. No início da década de 90, eles se tornaram a dupla de palhaços Patati e Patatá, que fazia apresentações em circos e programas de TV. Lançando discos com músicas infantis a partir de 1992, e DVDs a partir de 2004, eles se tornaram uma febre entre as crianças, e esse sucesso os levou a ter seu próprio programa no SBT a partir de 2011. Atualmente eles têm um programa na Discovery Kids, que também é exibido pelo SBT.

Divulgação/Veja SP

 

Continua após a publicidade

 

Continua após a publicidade

  • Bozo

Não é um palhaço brasileiro, e sim personagem vivido por diversos atores diferentes. Trata-se de uma criação americana que se espalhou pelo mundo, como desenho animado e personagem de palco. Ainda assim, é lembrado com carinho pela geração que era criança nos anos 80, graças à repercussão de seu programa no SBT naquela década.

Divulgação/Veja SP

 

Continua após a publicidade

 

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Para entender e curtir o melhor de SP, Veja São Paulo. Assine e continue lendo.

Impressa + Digital

Plano completo da VejaSP! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas de São Paulo.

Receba semanalmente VejaSP impressa mais acesso imediato às edições digitais no App Veja, para celular e tablet.

a partir de R$ 19,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas de São Paulo.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)