Clique e assine por apenas 6,90/mês
A Tal Felicidade Saúde, bem estar e alegria para os paulistanos

O alimento pode trazer leveza ou roubar a vitalidade, diz nutricionista

Ana Maria Murbach explica o papel da alimentação na expansão da consciência

Por Ana Maria Murbach - Atualizado em 26 jun 2020, 08h04 - Publicado em 26 jun 2020, 06h00

Você já parou para pensar que alimentação e nutrição são conceitos diferentes? A alimentação é um ato voluntário — você escolhe conscientemente quais alimentos farão parte da sua refeição: “Hoje almoçarei arroz, feijão e brócolis”. Já a nutrição é um ato involuntário, que independe de você. O seu organismo vai absorver os nutrientes da refeição com um todo — não podemos falar: “corpo, por favor, absorva apenas o cálcio”. Um grande exercício de desapego, não é mesmo? É justamente sobre esse poder de escolha, e sua influência na nossa expansão de consciência, que vamos conversar hoje.

Primeiro precisamos entender quem somos. Qual é a sua essência? O que você vibra? A nutrição tem um grande papel nisso. Nós, humanos, somos muito mais do que carne e osso — somos seres sutis, feitos também de energia. Qual a sua relação com sua alimentação? Você come com medo? Você come com peso na consciência, talvez com raiva? Ou você come com amor e atenção? Com um sorriso? Quando ingerimos um alimento, ingerimos seus nutrientes e sua energia. Qual é a origem energética do alimento que você está comendo?

Todo alimento é uma informação que o seu corpo recebe e se torna um comando. Ele pode piorar a inflamação ou levar à cura. Ele pode trazer leveza ou roubar a sua vitalidade. Pensar em uma alimentação saudável e diversificada significa obter todos os nutrientes necessários para que nosso organismo funcione com harmonia. Cada um de nós é único, com necessidades metabólicas e estilos de vida diferentes. Do mesmo jeito que só você tem sua impressão digital, só você tem seu metabolismo. O que funciona para um não funciona para outro. Essa é a beleza da nutrição: cada harmonia metabólica será única.

+Assine a Vejinha a partir de 6,90

Continua após a publicidade

Harmonia é um conceito dinâmico. Para ela existir, temos sempre de mudar e nos adaptar, e a alimentação não é uma exceção. Em tempos de intensa interiorização e introspecção, a alimentação tem um papel-chave para nos ajudar. Um corpo em harmonia se abre para atributos mais elevados: compaixão, coragem, altruísmo, observação e silêncio. Um corpo em desarmonia se abre para atributos negativos: irritação, medo de mudança, separatismo, raiva e dissimulação. Pergunto novamente: qual a origem energética do que você consome?

Ter uma alimentação à base de alimentos que receberam a luz do sol estimula esses atributos positivos. Frutas, legumes, verduras, leguminosas, sementes tendem a ser mais leves, com uma digestão mais fácil e densidade nutricional elevada. Porém, rechear nosso organismo de alimentos com baixa densidade nutricional, excesso de açúcar refinado, gorduras saturadas, farinhas brancas, guloseimas e frituras estimula os atributos negativos. Para sentir-se com vida, é necessário alimentar-se com vida.

A diferença entre um remédio e um veneno é a dose. Com a alimentação é igual. Alimente- se com amor e harmonia. Expanda sua visão da alimentação e estimule os atributos positivos. Nutra não apenas o seu corpo com os nutrientes dos alimentos, mas sua alma com a energia que eles proporcionam.

Continua após a publicidade

Ana Maria Murbach (@ammurbach) é nutricionista, amante da natureza, dos animais e da nutrição com consciência. Pós-graduada em medicina integrativa pelo Hospital Albert Einstein e pós-graduanda em nutrição funcional materno-infantil pelo VP centro de Nutrição Funcional. Membro da equipe do Instituto Assaly.

Publicado em VEJA SÃO PAULO de 1º de julho de 2020, edição nº 2693. 

Publicidade