“Dilúvio”, de Gerald Thomas, e a vida depois do apocalipse

O encenador montou o seu melhor espetáculo desde "Um Circo de Rins e Fígados", de 2005

Não espere do dramaturgo e diretor Gerald Thomas uma história mastigada, com início, meio e fim. No mínimo, haverá uma provocação ou aquela sensação de incômodo na saída do teatro. Em Dilúvio, o encenador, ausente dos palcos brasileiros desde a comédia Entredentes (2014), protagonizada por Ney Latorraca, não trai seus princípios. Pelo contrário, oferece ao espectador um conjunto de cenas de impressionante beleza plástica, em sua maioria coerentes com a proposta, que remete a um apocalipse iminente.

Uma narração em off avisa: daqui a mais ou menos três anos, a III Guerra Mundial será deflagrada, muito por causa do excesso de informações e notícias falsas em circulação na internet. A população, porém, não percebe o perigo e alimenta a intolerância. Representada pela atriz portuguesa Maria de Lima, a personagem central é um travesti errante, que testemunha brigas, estupros e raras demonstrações de carinho. Calejada, ela é uma sobrevivente do preconceito e deposita certa esperança no futuro, como nos momentos em que rega seu jardim na boca do palco.

Para construir imagens como essa, Thomas estreita de forma radical o diálogo com as artes visuais e a dança. As bailarinas Lisa Giobbi e Julia Wilkins esbanjam técnica em coreografias, a maioria aéreas, que reforçam a dramaturgia e, com lirismo, amenizam o pessimismo inicial. O encenador desenhou um fim do mundo em que a população é usada como munição e recorreu a temas pertinentes, como o feminicídio, a homofobia e a intolerância, para expandir a compreensão da obra. Assim, montou o melhor espetáculo desde Um Circo de Rins e Fígados (2005) e comprova que seu teatro é bem maior do que qualquer polêmica. As atrizes Ana Gabi, Beatrice Sayd e Isabella Lemos completam o elenco (120min). 18 anos. Estreou em 11/11/2017.

+ Teatro Anchieta — Sesc Consolação. Rua Doutor Vila Nova, 245, Vila Buarque. Quinta a sábado, 21h; domingo, 18h. R$ 40,00. Até 17 de dezembro.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s