Clique e assine por apenas 6,90/mês
Delícia de Conta Por Gabrielli Menezes Dicas de comidinhas com bom custo-benefício e notas sobre promoções que agradam tanto o paladar quanto a carteira

Acredite: tem panetone nos supermercados de São Paulo

O doce de origem italiana chegou às prateleiras faltando três meses para o Natal. Isso que é antecipação da gula!

Por Gabrielli Menezes - Atualizado em 18 Sep 2019, 14h35 - Publicado em 18 Sep 2019, 13h11

Até um passado bem recente, os períodos do ano podiam ser marcados pelas guloseimas encontradas nas prateleiras dos supermercados. Isso porque datas especiais costumam ter promoções e produtos específicos para cada celebração. Em andanças por mercados da cidade, a equipe de VEJA SÃO PAULO constatou que, embora faltem mais de três meses para o Natal, os panetones, grande objeto de desejo dos estômagos no fim do ano, já figuram nos expositores.

Neste ano, a entrega da guloseima nas lojas do Carrefour foi antecipada em cerca de trinta dias. No início de agosto, eles receberam a versão da Bauducco de gotas de chocolate (17,99 reais, 500 gramas) e outras receitas. Em nota, a empresa afirma que a escolha do adiantamento foi uma estratégia de vendas. Os endereços modelo Express da rede foram os únicos não contemplados com o doce nesse primeiro momento.

No Pão de Açúcar e no Extra, o período natalino em forma de panetones costuma acontecer no início de setembro. Os de produção própria, porém, ficam nas gôndulas de janeiro a janeiro. Custam 7,99 reais os de frutas cristalizadas e o de gotas de chocolate, ambos com 500 gramas. Em outubro, entram em cartaz sabores especiais, como red velvet, chocolate ruby e nozes trufado.

Mesmo diante de opções cada vez mais inventivas, 55% dos exemplares oferecidos nas lojas Pão de Açúcar levam chocolate na composição e se configuram como os queridinhos dos paulistanos. Nos 45% restantes, está o de frutas cristalizadas e outros.

Continua após a publicidade

Validade

Dá para encher o armário da cozinha de panetone já que a validade das versões industrializadas é de nove meses em média. Os artesanais, porém, não aguentam até o Natal. Para esses, a recomendação é esperar no máximo quinze dias para devorá-los por completo.

“Panetone fresco é sempre melhor, mas se a ideia é congelar, a indicação que eu dou é de consumi-lo em no máximo um mês”, explica a padeira Izabela Tavares, à frente do ateliê de pães por encomenda Iza Padaria Artesanal.

“Depois disso, algumas massas ressecam e outras ficam muito molhadas”, diz. A receita de Iza e de outras padarias artesanais da cidade costumam ser oferecidas a partir de novembro. Até lá, só supermercado.

Publicidade