Marcas do Expressionismo

VejaSP
starsstarsstarsstarsstars

Resenha por Jonas Lopes

Um século após surgir na Europa, alavancado
por artistas tão geniais quanto distintos entre si,
a exemplo de Edvard Munch e Otto Dix, o gênero
dedicado às formas angulares e aos recantos
desesperados da alma é tema da coletiva no
Museu de Arte Brasileira da Faap. Noventa trabalhos
integram Marcas do Expressionismo.
Eles repassam a trajetória do movimento no Brasil,
em suas idas e vindas. Há desde o negrume
paradigmático das xilogravuras de Oswaldo
Goeldi até os experimentos precursores de Anita
Malfatti em obras-primas como Homem das
Sete Cores. Flávio de Carvalho prefere recorrer
à explosão de tonalidades nos retratos do maestro
Eleazar de Carvalho e do escritor José Geraldo
Vieira. A mostra tem ainda o mérito de
recuperar dois pintores talentosos e atualmente
pouco lembrados no país, Marina Caram e Heinz
Kühn, além de apostar nos contemporâneos
Marco Paulo Rolla e Herman Tacasey.  De 15/02/2011 a 29/05/2011.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s