Clique e assine por apenas 6,90/mês

Elizabeth Costello

Tipos de Gêneros dramáticos: Monólogo dramático
VejaSP:

Resenha por Dirceu Alves Jr.

Alguns espetáculos conquistam a atenção do espectador na marra, principalmente por causa de suas estranhezas. O monólogo Elizabeth Costello, adaptado e dirigido por Leonardo Ventura, com base no romance do escritor sul-africano J.M. Coetzee, é um deles. Esse pacto começa a ser firmado pela presença da atriz Lavínia Pannunzio desde o momento em que recebe os espectadores na entrada da sala. Se não fosse ela, aquela imensa quantidade de texto, por mais pungente que seja em vários trechos, e a encenação minimalista não sustentariam o interesse da plateia. Lavínia tem 53 anos e garante credibilidade impressionante ao dar corpo e voz a uma mulher de 80. Trata-se de uma velha que mora rodeada por gatos em um sítio afastado do que seria chamado de civilização. Diante de um gravador, ela começa a destilar suas memórias e solta a imaginação. Aos poucos, a narrativa pessoal é fundida na de uma personagem fictícia, Elizabeth Costello, que precisa convencer um suposto tribunal sobre crenças e valores para, enfim, cruzar um portão que simboliza a transição para a morte. A encenação concebida por Ventura explora o mesmo caminho literário imaginado por Coetzee. A identidade das personagens e de Lavínia é borrada o tempo inteiro, a ponto de a intérprete, sem interromper o diálogo com a plateia, abandonar o palco mais de uma vez para tomar água ou recompor o figurino, algo inusitado em um solo. Desafios como esses são propostos e tornam o espetáculo menos palatável. Fica, no entanto, a impressão de que o diretor e a atriz fizeram tudo do jeito que desejavam, respeitando a força das palavras de Coetzee e impondo suas aspirações artísticas. E isso é louvável. Até 16/2/2020. 

    info
  • Direção: Leonardo Ventura
  • Duração: 70 minutos
  • Recomendação: 16 anos
Comentários

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.