100 Anos de Arte Belga

Resenha por Tatiane de Assis

Há vários motivos para planejar um passeio pela mostra 100 Anos de Arte Belga, em cartaz no Centro Cultural Fiesp. Um deles é a grandiosidade dos trabalhos expostos. Pertencente à coleção privada dos franceses Heinrich e Françoise Simon, o conjunto exibido consiste em aproximadamente setenta obras de 36 artistas. Na seleção, há nomes muito conhecidos, como René Magritte (1898-1967), e outros menos famosos por aqui, caso de Theo van Rysselberghe, autor do envolvente Retrato de Claire Demolder (à esq., 1902). De primeira, o que chama atenção na pintura é o olhar da personagem, que parece se fixar nos visitantes. Depois, as pinceladas curtas de diferentes tons roubam o foco. Elas dão movimento ao ambiente, às vestes e à mulher, e também podem despertar no público a vontade de conhecer mais da técnica chamada pontilhismo, que tem como um de seus ícones o francês George Seurat (1859-1891). Até 10 de junho.

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe semanalmente Veja SP* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de São Paulo

a partir de R$ 39,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.