Cidade

Motorista do Uber tem carro destruído por taxistas

"Entramos em pânico", conta Rafael Rodrigues, que tinha uma passageira no veículo quando sofreu ataque na Zona Oeste

Por: Larissa Faria - Atualizado em

carro do uber depredado
O carro que opera para o Uber teve os vidros quebrados e a lataria danificada (Foto: Arquivo Pessoal)

Na madrugada de domingo (3), um motorista do Uber teve o carro depredado durante um trajeto com uma passageira. O carro seguia da Rua Amaral Gurgel, no centro, para a região do Allianz Parque por volta das 3h10, quando foi atacado por um grupo de cinco taxistas.

+ Taxistas protestam contra o Uber na frente da prefeitura

Reduto de casas de shows, o pedaço na Zona Oeste estava movimentado. De acordo com o profissional Rafael Rodrigues, um grupo de cinco taxistas começou a direcionar xingamentos para os veículos pretos e prateados - cores padrões do Uber - que transitavam pela via, além de tentar depredá-los. 

carro do uber depredado por taxistas
O veículo, um Honda Civic 2016, foi depredado quando transportava uma passageira na madrugada do último domingo (3) (Foto: Arquivo Pessoal)

"Parei no semáforo e, de longe, vi taxistas agredindo automóveis por ali. Achei que se tratava de alguma briga de trânsito e diminuí a velocidade. Quando passei, começaram a atacar meu carro, estouraram os vidros e danificaram a lataria. Eu e a passageira entramos em pânico. Eles tentaram abrir as portas, mas não conseguiram, porque eu arranquei antes", afirma Rodrigues. Assustada, a moça, moradora da região, não quis participar do boletim de ocorrência.

Os agressores deprederam o automóvel usando pedaços de ferro e pedras. O prejuízo foi de 7 000 reais. Rodrigues já havia sofrido ataques de taxistas anteriormente, como xingamentos no trânsito, além de ovos e garrafas d'água lançados contra seu carro.

taxistas agridem carro do uber
O prejuízo com a depredação foi de 7 000 reais (Foto: Arquivo Pessoal)

Anteriormente, ele trabalhava como taxista, porém, conta que as taxas diárias que pagava para trabalhar não eram tão atrativas quanto o Uber, em que o principal gasto são apenas as prestações do veículo. A empresa cobriu os danos e os dias não trabalhados do motorista, que pretende continuar prestando o serviço, porém, com uma câmera gravadora dentro do carro.

A briga entre taxistas e o serviço de transporte Uber já vem de algum tempo - e não se trata do primeiro caso de agressão do tipo. Desde a popularização do aplicativo, taxistas promovem manifestações na cidade contra a operação dos veículos, que muitas vezes são mais econômicos que as corridas de táxi e lutam por uma regularização com o poder público. Na última manifestação realizada, cerca de 1 000 taxistas ocuparam o Viaduto do Chá, no centro.

Fonte: VEJA SÃO PAULO