Redes Sociais

"Fica, Vai Ter Bolo": o Tumblr e as piadas da internet

Sucesso nos últimos dias, página chama a atenção para plataforma que cresce em popularidade entre usuários brasileiros

Por: Alexandre Aragão - Atualizado em

Tumblr
Brincadeira do "Fica, Vai Ter Bolo": 40 sugestões diárias e 200.000 acessos (Foto: Reprodução)

Tão rapidamente quanto as notícias, as piadas da internet — também chamadas de “memes” — se renovam em ritmo cada vez maior. Nos últimos dias, o Tumblr “Fica, Vai Ter Bolo” foi a sensação dos tuiteiros. Do que trata: de um site em que os autores postam, várias vezes por dia, imagens engraçadinhas que têm em comum a frase que dá nome à página. Já houve posts com figuras tão diversas quanto a presidente Dilma Rousseff, a ex-BBB transex Ariadna e a personagem da atriz Natalie Portman no filme “Cisne Negro”.

Os responsáveis pela bem-humorada brincadeira são o publicitário Gustavo Braun e o analista de mídias sociais Victor Calazans — conhecidos no Twitter como @nairbello e @hebecamargo, respectivamente. “A gente queria fazer alguma coisa que tirasse um pouco o foco dos nossos perfis fakes”, explica Victor. A ideia para a frase que dá título ao tumblr da dupla partiu da personalidade das senhoras que eles incorporam na rede social. “‘Fica, Vai Ter Bolo’ é uma típica frase de avó.” Até o fechamento desta reportagem, a página havia recebido aproximadamente 200.000 acessos. Muitas das piadas publicadas vêm de sugestões de leitores, que chegam à média de quarenta por dia. “A montagem que fez mais sucesso, de longe, é uma que imita a tela final do Windows”, diz Nair, ou melhor, Gustavo.

Tumblr
Montagem com a página de saída do Windows XP: foto preferida dos criadores do "Fica, Vai Ter Bolo" (Foto: Reprodução)

Segundo Edney Souza (@interney), professor da pós-graduação em mídias sociais da Fundação Getúlio Vargas (FGV), o bom desempenho de páginas como o "Fica, Vai Ter Bolo" e outras igualmente hilárias é uma vocação tipicamente brasileira. “Aqui, os tumblrs de entretenimento e de moda fazem mais sucesso.” Enquanto nos Estados Unidos o Tumblr é o 32º site mais acessado, de acordo com dados do serviço de medição de internet Alexa, da Amazon, por aqui ocupa a 44ª colocação. “Tenho a impressão de que não é uma plataforma tão personalizada”, diz a jornalista e blogueira Rosana Hermann (@rosana). “Esse serviço é como um rio: a gente mergulha, brinca com quem está on-line naquele momento, e vai embora. O compromisso é menor.” Em média, cada visitante passa 7 minutos pelas páginas da ferramenta.

Com Facebook e Twitter comandando um novo ciclo de investimentos em empresas on-line, o Tumblr parece estar demorando mais que os concorrentes. “O Tumblr tem dificuldade maior por causa do modelo comercial”, opina Edney. De acordo com o especialista, não está claro se o serviço irá capitalizar por meio de anúncios publicitários ou se irá abraçar a cultura do “fremium” — quando um serviço oferece pacotes básicos a todos os usuários e complementos somente aos que pagarem uma taxa. “O Tumblr é mais uma ferramenta de publicação intermediária que uma rede social”, complementa Rosana. “Ele não parece um fim, parece um meio.” O texto acabou mas, por favor, fica, vai ter bolo.

O que é Tumblr

Um meio-termo entre o Twitter e os serviços de blog convencionais, como Blogspot e Wordpress. O jeito certo de pronunciar é tâmbler. “O Tumblr tem a facilidade de publicação do blog, sem o compromisso”, explica Rosana.

Como funciona

Além de publicar arquivos de imagem, vídeo ou áudio, o usuário também escreve pequenos textos. Apesar de não haver limite de espaço, é comum que os usuários escrevam pouco. Ao mesmo tempo, há uma área chamada “dashboard”, na qual é possível ver o que as pessoas que você segue publicaram — mais ou menos como a timeline do Twitter.

Quando começou

A plataforma foi lançada em 2007 com 75.000 páginas que haviam feito um pré-cadastro. Mas decolou mesmo com a proliferação dos smart phones. No Brasil, como o uso desses aparelhos se intensificou em 2010, foi quando se deu o crescimento maior. Atualmente, cerca de 14,5 milhões de pessoas usam o Tumblr.

Os mais legais

Enquanto no Brasil os tumblrs que fazem mais sucesso são os de piadas, nos Estados Unidos e na Europa algumas empresas de comunicação usam a plataforma para publicar notícias. “Por aqui o público é mais jovem e descolado”, explica Edney. “Não sei por que, o Tumblr é um sucesso entre os usuários mas a mídia ainda não absorveu”, diz Rosana. Confira abaixo dez páginas que merecem ser visitadas:

Engraçadas:

Cognatas — Um Tumblr só de áudio. Pedaços de músicas cantadas em inglês — mas que parecem português. Tem desde Beatles dizendo “pega o cavaco” até Rihanna cantando “chora pen-drive”.

Dr. Hollywood, Deus — Uma brincadeira com o médico Robert Rey, que apresenta o programa “Dr. Hollywood”. Há montagens como um cartaz do filme “O Discurso do Rei” transformado em “O Discurso do Rey”.

Exaltatumblr — Uma brincadeira com os hipsters (não sabe o que são hipsters? Clique aqui.) São trechos de músicas bregas em cima de fotos tratadas no Photoshop.

Fica, Vai Ter Bolo — Fotos de pessoas que, aparentemente, estão indo embora de algum local, com a frase-título em cima. Acredite, é bem engraçado.

Tarra Ca Nenê no Colo — Corruptela da frase "Estava com o bebê no colo", a página mostra fotos de pessoas segurando crianças acompanhadas de legendas divertidas.

Sérias:

Frontpages — Primeiras páginas dos principais jornais dos Estados Unidos, com links para as matérias que estão sendo chamadas nas manchetes.

Huffington Post — Recém-comprado pela AOL, o site tem o foco em notícias de tecnologia. Na página do Tumblr são postados fotos e vídeos chamativos, com links para a notícia completa.

Life — Todas as postagens têm fotos antigas que foram publicadas na famosa revista norte-americana.

Newsweek — Página oficial da revista semanal norte-americana no Tumblr. A cobertura é menos séria que na edição impressa, com cartuns e fotos curiosas.

Officialssay — Alimentado pela equipe da ProPublica, uma entidade de jornalismo independente, o Tumblr tem frases controversas de celebridades e autoridades.

Fonte: VEJA SÃO PAULO