Teatro

'Vingança' prova que canções de Lupicínio Rodrigues resistem ao tempo

Musical inspirado na obra melodramática do compositor pode ser visto no teatro do Centro Cultural Banco do Brasil

Por: Dirceu Alves Jr. - Atualizado em

Vingança - Teatro
Rufino, Andrea, Ana Carolina e Andrey: dramaticidade (Foto: João Caldas)

O jeito tímido do compositor gaúcho Lupicínio Rodrigues (1914-1974) destoava um pouco do caráter melodramático de suas canções. Esse estilo exaltado era a marca dos principais cantores do rádio e temas como Nervos de Aço, Esses Moços e Cadeira Vazia se popularizaram nas décadas de 40 e 50, transformando-o no mestre da dor de cotovelo. Com Vingança, musical idealizado e escrito por Anna Toledo, a obra e o universo de Lupi chegam ao teatro através de uma bem construída dramaturgia. Os personagens alternam-se constantemente nos papéis de traidor e traído e arrebatam o espectador. Maria Rosa (Ana Carolina Machado) é uma bailarina protegida pelo bicheiro Alves (Luciano Andrey), mas incapaz de controlar a paixão pelo funcionário público Liduíno (o ator Jonathas Joba). Este, por sua vez, é casado com Luzita (Anna Toledo), que, no passado, se envolveu com Orlando (Sérgio Rufino), o dono do cabaré onde Rosa e Linda (Andrea Marquee) trabalham. Em meio a essa teia folhetinesca, os personagens se cruzam e a montagem, sob a direção geral de André Dias, mostra que as criações de Lupicínio resistem bravamente ao tempo. 

Som na caixa: as músicas são executadas ao vivo por três instrumentistas.

AVALIAÇÃO: ✪✪✪

Fonte: VEJA SÃO PAULO