Passeios

Endereços mal-assombrados em São Paulo

Conheça a história oculta de alguns prédios, cemitérios e outras construções da cidade

Por: Anna Carolina Oliveira - Atualizado em

Castelinho da Rua Apa
Castelinho da Rua Apa: onde um crime nunca foi resolvido (Foto: Veja São Paulo)

Por trás de alguns edifícios, parques, igrejas e outros lugares turísticos da cidade, existem histórias de dar calafrios. Uns dizem que são apenas lendas urbanas, outros acreditam que espíritos realmente vagam por determinados endereços na madrugada paulistana.

Mito ou verdade, a questão é que muitos pontos guardam histórias, no mínimo, curiosas. Conheça algumas abaixo:

Casa da Dona Yayá

Casa da Dona Yayá
Casa da Dona Yayá: onde Sebastiana de Mello Freire ficou trancafiada até a morte (Foto: Alexandre Schneider)

Em 1920, Sebastiana de Mello Freire foi diagnosticada com sérios problemas mentais. O conselho do médico foi que toda a família se mudasse para um bairro mais tranquilo, onde a moça pudesse ficar afastada da agitação da cidade. No novo endereço do Bixiga, Sebastiana perdeu primeiro suas irmãs e, depois, seus pais. Sem família, a mulher permaneceu na residência apenas com uma empregada que se encarregava dos cuidados da enferma. Dizem que ela ficou trancafiada na própria casa por 40 anos, morreu louca e seu espírito nunca deixou aquele endereço.

Capela dos Aflitos

Capela dos Aflitos
A Capela dos Aflitos, na bairro da Liberdade (Foto: Mario Rodrigues)

A capela recebeu esse nome em homenagem à Nossa Senhora dos Aflitos, mas o que nem todos sabem é que a construção foi palco de uma história tenebrosa. Onde hoje são realizados cultos, um soldado chamado Francisco José das Chagas está enterrado. Chaguinha, como era conhecido, foi condenado ao enforcamento, porém, na hora da execução, a corda se rompeu. E não foi apenas uma, mas duas vezes. O público considerou o episódio um milagre e pediu a liberdade do moço, que foi finalmente morto na terceira tentativa. Enterrado onde atualmente está a Capela, algumas pessoas visitam o lugar até hoje para fazer pedidos ao soldado e pagar promessas.

Castelinho da Rua Apa

Castelinho da Rua Apa
Castelinho da Rua Apa é rodeado por histórias de assombrações (Foto: Mario Rodrigues)

A construção em condições precárias já foi residência de uma família da aristocracia paulistana. Também foi o local de um crime nunca solucionado pela polícia. No dia 12 de maio de 1937, Álvaro Reis matou seu irmão e sua mãe, tirando a própria vida em seguida. O fato misterioso é que este rapaz teria sido encontrado com duas balas na cabeça, algo pouco comum em casos de suicídio. A polícia acredita que existia uma quarta pessoa envolvida no crime, mas isso nunca foi comprovado. Alguns dizem que é melhor tomar cuidado ao passear pelo endereço de noite, já que a alma penada de Reis perturba aqueles que colocam os pés no que um dia foi o seu lar.

Edifício Joelma

Edifício Joelma
Edifício Joelma guarda uma das histórias mais macabras da capital (Foto: Agência Estado)

O prédio da Avenida Nove de Julho já mudou de nome e de cor, mas não tem reforma que faça os paulistanos se esquecerem do incêndio do dia 1º de fevereiro de 1974. Na manhã daquela sexta-feira, o edifício começou a arder em chamas. Muitos morreram asfixiados, outros, desesperados, jogaram-se das janelas. Porém, o caso mais sinistro foi o das 13 vítimas presas no elevador. Não identificadas, elas foram enterradas na Vila Alpina e há quem diga que, de suas sepulturas, brota água. Os que trabalham no prédio afirmam que, de noite, os espíritos vagam pelos 25 andares da construção.

Edifício Martinelli

Edifício Martinelli
Edifício Martinelli: loira assombra os corredores do lugar (Foto: Elaine Cristina Mendes)

Não é só o status de primeiro arranha-céu da América Latina que dá fama à construção na Sé. Uma moradora do além se tornou famosa na cidade e é conhecida por todos como a loira do Martinelli. Em meados dos anos 30, a jovem teria cometido suicídio no prédio e, desde então, não sai mais do local. Segundo a lenda, sempre no final do expediente, o fantasma da moça de cabelos claros e longos aparece para assombrar aqueles que estão no edifício. 

Largo São Francisco

Faculdade de Direito Largo São Francisco
A Faculdade de Direito do Largo do São Francisco, no Centro (Foto: Divulgação)

A Faculdade de Direito tem uma construção histórica, um nome prestigiado e um subsolo de dar medo. O prédio instalado no Largo São Francisco já foi um mosteiro e acredita-se que até hoje existam restos mortais de freis enterrados em épocas passadas. Outra história curiosa é a do professor Júlio Frank. Muito querido pelos estudantes, ele teria sido enterrado onde hoje os alunos de Direito da USP realizam alguns saraus. Frank era protestante e, por isso, não pôde ser sepultado no cemitério, onde, na época, somente católicos eram enterrados.

Teatro Municipal

Teatro Municipal
Teatro Municipal também guarda histórias assombrosas (Foto: Alexandre Battibugli)

Como todo teatro antigo, este também parece ter algo de mal-assombrado. Segundo a lenda, os espíritos dos artistas que se apresentaram nos palcos do Municipal perambulam pelas dependências do local. Vigias e funcionários que trabalham no turno da noite garantem já terem visto luzes acenderem, escutado o dedilhar no piano e percebido movimento nos camarins e no palco.

Fontes: Carlos Silvério, diretor da Graffit Viagens & Turismo, e Rogério Cantoni, criador do Haunted Bus

Fonte: VEJA SÃO PAULO