Noite

Seis lugares bacanas instalados em porões

Antes associados a espaços soturnos ou à cena underground, subsolos agora têm ambientação estilosa e clima festivo

Por: Fabio Wright (colaboraram Carolina Giovanelli e Dirceu Alves Jr.) - Atualizado em

Divine Wine Bar - 2215
Divine Wine Bar, nos Jardins: pé-direito de 5 metros quebra a sensação de ambiente fechado (Foto: Cida Souza)

Quase escondido

Da rua, o visitante avista apenas um pequeno corredor. Ao atravessá-lo, porém, tem a grata surpresa: o Divine Wine Bar. Seu pé-direito de 5 metros quebra a sensação de ambiente fechado. São 23 opções de vinho em taça, parte delas armazenada numa máquina italiana Enomatic. Uma adega elevada para 400 garrafas acomoda os sessenta rótulos que compõem a carta.

Balada moderninha

Alberta #3 - 2215
Alberta #3: acalorado ambiente decorado com papel de parede de estampas psicodélicas (Foto: Mario Rodrigues)

Num prédio no centro, o clube retrô Alberta #3 tem uma transada pista subterrânea que começa a pegar fogo depois das 23h30. No acalorado ambiente, decorado com papel de parede de estampas psicodélicas, moderninhos se esbaldam ao som de rock.

Drinques, boa música e paquera

SubAstor - 2215
SubAstor: sem ligação com a rua (Foto: Mario Rodrigues)

Inspirado nos speakeasies (os bares clandestinos da época da Lei Seca americana), o SubAstor nem ligação com a rua tem. Para chegar ao ambiente de estilo cool, é necessário atravessar o salão do Astor e descer três lances de escada. Coquetéis criativos e música animada garantem o agito e turbinam a paquera.

Jazz e blues tête-à-tête

Syndikat - 2215
Syndikat: apresentações de jazz e blues para no máximo quarenta pessoas (Foto: Mario Rodrigues)

Numa ruela de paralelepípedos de apenas um quarteirão (entre as alamedas Itu e Jaú), o bar Syndikat lembra uma residência na ambientação. De quinta a sábado, a partir das 10 da noite, as atenções se voltam para o piso inferior, onde rolam apresentações de jazz e blues para no máximo quarenta pessoas. Os músicos tocam bem pertinho do público, que se acomoda em mesas e, sem cerimônia, nas almofadas dispostas pelo chão.

Jantar na adega

Madeleine - 2215
Madeleine: espaço com 440 garrafas de vinho de 76 rótulos (Foto: Fernando Moraes)

Enquanto formações de jazz mandam brasa no agitado palco no térreo do Madeleine, alguns clientes preferem descer e se refugiar na adega. Ali é possível jantar à luz de velas em clima bem intimista. O espaço, com cinco mesas e revestido de tijolinhos, reúne 440 garrafas de vinho dos 76 rótulos listados no menu.

De lanterna na mão

Teatrokê - Teatro do Centro da Terra - 2215
Teatro do Centro da Terra: 55 degraus até o palco (Foto: Divulgação)

Situado 12 metros abaixo da superfície, o Teatro do Centro da Terra ocupa o quarto e o quinto subsolos de um prédio nas Perdizes. Para chegar lá, o público pode usar o elevador ou entrar no clima e descer os 55 degraus guiado por uma lanterna e protegido por um capacete. Além de um café, espaço para cursos e uma varanda, o endereço abriga uma sala de espetáculos para 100 pessoas, por onde já passaram atores como Beth Goulart e Eduardo Moscovis. Também recebe peças interativas — a última foi a divertida Teatrokê (foto), que está em excursão e deve retornar em breve — e infantis.

Fonte: VEJA SÃO PAULO