Saúde

Rodolfo Gomes: transplante de fígado 48 horas após entrar na fila

Esportista ficou de cadeira de rodas devido a uma hepatite autoimune fulminante

Por: Daniel Bergamasco - Atualizado em

Rodolfo Gomes - edição 2239
Rodolfo Gomes, 35 anos: “Só não faço esportes muito arriscados, para preservar o novo órgão” (Foto: Fernando Moraes)

“Atividades físicas sempre foram minha paixão. Eu era dono de uma empresa de esportes de aventura em Brotas, pedalava 20 quilômetros todos os dias e levava os turistas para as cachoeiras. Enfim, tinha uma vida mais do que saudável, até ficar na cadeira de rodas devido a uma hepatite autoimune fulminante, que desenvolvi sem explicação. Morreria em poucos dias, não fosse o transplante, feito menos de 48 horas depois que entrei na fila. Minha recuperação foi rápida e hoje posso praticar o esporte que quiser. Neste ano, ganhei dois segundos lugares em campeonatos de pesca, que são minha nova mania. Só não faço rapel, parapente e outras modalidades muito arriscadas, para preservar o novo órgão, por respeito à vida de quem me salvou com esse presente. Descobri que o doador era um jovem de 18 anos morto num acidente de carro. Não há como esquecer que tem algo de outro dentro de você. Às vezes, quieto, fico comovido ao imaginar que a família dele desconhece o bem que me fez com sua atitude.”

+ Pacientes transplantados contam como é ficar livre do sofrimento

+ Veja algumas novidades importantes em transplantes

Fonte: VEJA SÃO PAULO